Santana que participou do seqüestro será vistoriado

O Volkswagen Santana azul utilizado no seqüestro do prefeito de Santo André (SP), Celso Daniel (PT), localizado ontem à noite em um bairro próximo da Favela do Pantanal, vai ser vistoriado por peritos em busca de impressões digitais dos integrantes da quadrilha acusada de assassinar o prefeito, mas a própria Polícia Federal acredita que dificilmente serão encontrados vestígios. "O carro não foi preservado, já estava na mão do proprietário há vários dias, e isso deverá comprometer a perícia", antecipou hoje a assessoria de imprensa da PF.O proprietário do carro, já identificado, mas com o nome ainda mantido em sigilo, também deverá depor nos próximos dias para relatar as circunstâncias em que seu carro foi roubado. A polícia acredita que ele poderá fornecer novas provas da participação da quadrilha da Favela do Pantanal no assassinato do prefeito.O Santana foi utilizado, junto com uma perua Chevrolet Blazer, na operação do seqüestro de Daniel, no dia 18 de janeiro. A Blazer foi encontrada queimada na Favela do Pantanal. O Santana, encontrado ontem pela Polícia Federal, teria sido encontrado pela polícia de Taboão da Serra, na Grande São Paulo, dias depois do crime, e devolvido para o proprietário. A polícia não sabia que o carro havia sido utilizado no seqüestro.Em seus depoimentos à polícia, os dois integrantes da quadrilha presos na sexta-feira, Itamar Messias dos Santos e Rodolfo Rodrigo dos Santos Oliveira, o Bozinho, disseram que o Santana foi roubado em Diadema e abandonado no dia seguinte ao seqüestro, em Taboão da Serra. A partir do depoimento dos dois, a PF teria rastreado as ocorrências de automóveis encontrados abandonados no município e localizado o Santana. O automóvel se encontra em poder da PF e deverá ser devolvido ao proprietário logo depois da vistoria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.