Santos poderá ter delação premiada, diz polícia alagoana, em Santo André

A Polícia Civil de Alagoas estuda conceder o benefício da delação premiada a Everaldo Pereira dos Santos, pai de Eloá Pimentel. Caso seja concedido, Santos pode ter a pena reduzida e sua família poderá entrar no programa alagoano de proteção à testemunha. A concessão, contudo, depende de pedido do Ministério Público à Justiça. Santos continua foragido. Ontem, o delegado adjunto da Polícia Civil de Alagoas, José de Freitas Junior, chegou a Santo André acompanhado da delegada Luci Mônica Rabelo, diretora de Informações e Estatísticas da Polícia de Alagoas. "Ele (Santos) tem histórico de alta periculosidade. Trouxemos e viemos buscar documentos que viabilizem descobrir o paradeiro dele", disse Luci. A concessão, contudo, depende de um pedido do Ministério Público à Justiça. Segundo Freitas Júnior, o pai de Eloá é considerado um "arquivo vivo". "Ele sabe de muitos crimes. Corre mais risco de vida solto do que preso, porque as pessoas que o contrataram na época podem ter o desejo de vê-lo morto. Ele pode comprometer muita gente." Na ficha de Santos constam quatro homicídios, entre eles o do delegado Ricardo Lessa - irmão do ex-governador Ronaldo Lessa. Segundo o delegado, Lessa investigava a "gangue fardada", grupo de extermínio formada por policiais, da qual o pai de Eloá faria parte. Ele foi cabo em Alagoas até 1993. Dois dos chefes da gangue estão presos, mas há um terceiro foragido. Segundo a polícia, o grupo também estava envolvido com latrocínio e roubos de carga e a bancos. O delegado diz que Santos pode ajudar a identificar foragidos. O advogado de Santos, Ademar Gomes, afirmou ontem que, enquanto não ler o processo, seu cliente não vai se entregar. "(O processo) deve demorar entre 10 e 15 dias para chegar a minhas mãos." Gomes disse que não foi procurado pelos policiais de Alagoas e não quis comentar a possível delação premiada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.