São José proíbe cartazes com mulher nua

A cidade que possui o maior número de doutores e cientistas por metro quadrado do Brasil e é conhecida por sediar a sofisticada industria aeroespacial e de telecomunicações do pais, com uma renda "per capita" de R$ 1250,00, que é o dobro da renda paulista, teve nesta terça-feira seu dia de província: a Câmara aprovou por unanimidade projeto de lei do vereador Manoel de Lima (PHS), proibindo a divulgação na cidade por meio de outodoors e cartazes com mulheres nuas ou seminuas.Avançando nas medidas de censura moralistas propostas, a Câmara aprovou também emendas, instituindo a proibição de textos que forem considerados pornográficos ou de mau gosto.A polemica que envolveu a cidade nos últimos 15 dias foi deflagrada por um outdoor da revista Penthouse, que mostrava uma modelo seminua com o título "Quem nunca se masturbou que levante a mão".A Igreja Evangélica protestou, a Católica também, e o assunto chegou à Câmara. Foi levado pelos vereadores para as rádios e tomou ares de cruzada moral. A Prefeitura acabou retirando os outdoors antes do prazo, o que motivou protestos do dono da publicação, Oscar Maroni Filho.Segundo ele, foram distribuídos cinco mil outdoors em 500 municipios brasileiros e só em São José dos Campos ocorreram problemas. "Não admito que meia dúzia de hipócritas e pseudo-religiosos venham, de forma autoritária, ditar normas sem nenhum conhecimento técnico ou literário", afirmou Maroni Filho.?Esses senhores naturalmente não conheceram a censura brutal que os brasileiros sofreram durante 30 anos e que começou também com falsos argumentos políticos e morais?, disse Maroni Filho.Para o diretor-executivo do Conar (Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária), Edney Narchi, a legislação brasileira sobre publicidade é restritiva da União e o projeto aprovado em São José dos Campos é inconstitucional e pode ser derrubado na Justiça."Esse tipo de atentado a liberdade de expressão já foi tentado outras vezes e sempre caiu diante da lei maior", esclareceu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.