São Paulo adere ao sistema único de segurança

A partir de hoje, São Paulo passa a integrar o Sistema Único de Segurança Pública (SUSP), mas a assinatura do protocolo não garante quando nem quanto de verba federal será liberada para o Estado. Outros oito estados já aderiram ao SUSP e até julho a expectativa do ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, é de integrar os demais. O governo federal tem mais de R$ 800 milhões para gastar no SUSP.Segundo o ministro, os mais de 15 projetos do governo estadual, que já foram encaminhados ao ministério e estão aguardando recursos, deverão ser revistos sob a ótica do SUSP. "As verbas serão distribuídas sistemicamente, não vamos entregar verbas nem os estados querem, para projetos isolados", disse Bastos. "Não dá para dizer de quanto é a verba para São Paulo."O governador Geraldo Alckmin (PSDB) elogiou o SUSP, mas destacou que sem recursos não haverá avanço nessa área. "Segurança pública é o desafio da sociedade moderna, mas não adianta dar prioridade para isso se não tiver investimento, se não tiver dinheiro."Alckmin disse que as prioridades na área são basicamente duas: construir novas cadeias para tirar presos de distritos e digitalizar todo o banco de informação da Secretaria de Segurança. O primeiro projeto precisa de R$ 50 milhões e o segundo de cerca de R$ 300 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.