São Paulo ainda não tem definição sobre apagões

A prefeita Marta Suplicy respondeu a uma pergunta feita por um ouvinte da Rádio Eldorado sobre o esquema que será adotado em São Paulo em relação ao racionamento de energia elétrica. O ouvinte disse que notou várias luzes de iluminação pública acesas na capital paulista com o dia praticamente claro. Marta declarou que está tentando obter informações junto ao governo federal e até agora não conseguiu. "Por causa da confusão generalizada desse governo federal, não sabemos nem quando começa, quantas horas serão por dia e em que períodos serão. Isso torna nossa posição extremamente difícil para nos organizarmos e estamos realizando o que pode ser feito dentro da nossa própria conta, que é apagar as luzes em escolas, no próprio Palácio das Indústrias e outras medidas. Agora, o grosso mesmo, que são os faróis, a sinalização e tudo mais, enquanto o governo federal não repassar o que vai acontecer nós não podemos fazer". Marta frisou que vai haver uma reunião hoje, em Brasília, e outra amanhã com a Eletropaulo para discutir o assunto.A prefeita falou ainda sobre a questão dos loteamentos clandestinos, cuja maioria se encontra exatamente na zona sul da cidade, área que ela está sobrevoou a bordo do helicóptero da Rádio Eldorado. Marta informou que estão sendo criados postos avançados nos locais onde as invasões são mais intensas, ou seja, na região da Cantareira, na zona norte, e nos mananciais da Billings e de Guarapiranga. "Nós vamos colocar um agente vistor da administração regional, assistente social e um representante responsável pela regularização dos loteamentos existentes. Será muito importante também fazer um monitoramento da região com vistorias feitas com helicóptero da Polícia Florestal. Vocês, da própria Rádio Eldorado, podem dar uma mãozinha quando passarem de helicóptero e notarem uma ocupação irregular".A prefeita destacou também a importância da retomada dos mutirões na cidade para os quais foram liberados R$ 11 milhões e que deverão beneficiar cerca de 20 mil famílias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.