São Paulo é ´dividida pelo dinheiro´, diz jornal britânico

São Paulo, a maior metrópole sul-americana - com 20 milhões de habitantes, segundo a ONU - foi a escolhida pelo jornal britânico The Independent para ilustrar uma sombria visão de futuro, no ano em que a população mundial vivendo nas cidades ultrapassará, pela primeira vez, aquela que vive no campo."O mundo está se tornando mais urbanizado - mas a maioria dos recém-chegados (às cidades) acaba nas favelas", diz a reportagem de página dupla "As duas faces de São Paulo".No centro da reportagem estão os moradores da favela Prestes Maia, que tentam obter títulos de propriedade para prédios que ocuparam há muitos anos, enfrentando a oposição da prefeitura da capital paulista, "com seus ricos aliados corporativos".A parte rica e distante da cidade é ilustrada pelas casas muradas do condomínio exclusivo de Alphaville e pela loja de produtos de luxo Daslu, que se contrapõem à mulher catadora de lixo e ao retirante pernambucano morador de Prestes Maia e auto-alfabetizado com uma biblioteca de livros doados que ocupa um quarto de seu barraco."(São Paulo) é uma cidade de contradições nuas, desigualdade intensa; uma cidade de muros", descreve a reportagem. "Mudar ´500 anos de concentração de riqueza e poder´ é o desafio dos políticos de hoje."Segundo o The Independent, os países do chamado Terceiro Mundo têm hoje 22 cidades com mais de oito milhões de habitantes, o que as coloca dentro do critério de mega-cidades pelo conceito da ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.