São Paulo enfrenta agora greve de coleta de lixo

Um dia depois de terminada a greve dos motoristas e cobradores de ônibus, a capital paulista voltou a amanhecer com um dos principais serviços públicos prejudicados: o de coleta de lixo.Alegando falta de acordo com o Sindicato das Empresas de Limpeza Urbana no Estado (Selur), o Sindicato dos Trabalhadores de Ônibus Rodoviários, que reúne os motoristas de caminhões de lixo, optou por uma manifestação diferente.Na madrugada desta quinta-feira, em vez de greve, piquetes impediram o despejo do lixo coletado nos dois aterros e três transbordos da cidade. Cerca de 50 caminhões lotados voltaram sem depositar os dejetos. Dois despejaram o material na frente da sede do Departamento de Limpeza Urbana (Limpurb). Diariamente, são coletadas 15 mil toneladas de lixo na capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.