São Paulo entra no ''top 10'' do mundo da moda

Semanas temáticas ajudaram a capital a subir 25 posições em 1 ano

Fernanda Aranda, O Estadao de S.Paulo

22 Julho 2009 | 00h00

A verdadeira "praia do paulistano" conquistou de vez o exterior. As vitrines de lojas e os desfiles que glamourizam a capital paulista fizeram São Paulo entrar, pela primeira vez, no "top 10" do mundo da moda, segundo pesquisa anual realizada pela Global Language Monitor (GLM), empresa que monitora a ocorrência de temas na mídia. A cidade conquistou a oitava posição no ranking internacional de polos mais influentes do setor, sendo que a disputa era com concorrentes de peso, como Milão, Nova York, Paris e Roma, as líderes absolutas nesse quesito. Em 2008, São Paulo ostentou a 33ª colocação, o que significa evolução de 25 posições no intervalo de 12 meses. O critério de classificação, de acordo com a GLM, com sede nos EUA, é a "frequência, contexto e aspecto" com que a moda é retratada na mídia mundial, seja impressa ou eletrônica. A pesquisa foi divulgada anteontem e a entidade afirma que analisa todas as publicações, incluindo blogs. "As palavras e as frases são registradas", explica, "formando um indicador de grandeza numérico". A moda do Rio também "evoluiu". Em 2009, o Rio ocupou a 18ª posição, sendo que no ano passado a cidade estava no 30º lugar no ranking. Por isso, uma semana fashion, evento que tem edições carioca (Fashion Rio) e paulistana (São Paulo Fashion Week, a SPFW), é apontada como grande "alavanca" das duas cidades brasileiras na pesquisa. Para Paulo Borges, organizador dos dois eventos, o segredo para entrar no time dos "10 mais" foi não pensar em moda apenas com a leitura exclusiva da roupa. "São Paulo se consolidou como uma moda de convergência, que reúne design, tecnologia, arte, arquitetura", afirma. "Isso é pioneiro no mundo, encantou países como França e Inglaterra, e não tenho dúvidas de que serviu para fazer a cidade ganhar posições." O presidente da São Paulo Turismo (SPTuris), Caio Luiz de Carvalho, também cita o "caldeirão criativo" em que a moda paulistana está inserida como o "caldo" para a evolução internacional. "As bienais, os festivais de cinema, o próprio grafite. Tudo amplifica a imagem da moda de São Paulo no exterior." Estilista da marca M.Officer, Carlos Miele cita ainda que o próprio perfil da consumidora da moda paulistana facilita a aceitação mundial da produção de São Paulo. "A mulher independente e sofisticada, para a qual crio minhas coleções, pode estar em qualquer metrópole mundial, como São Paulo, Paris ou Nova York", diz. O status de ingressar para o "top 10", avalia Bruno Bauman, sócio da marca de moda festa Acquastudio - que investe cada vez mais na clientela internacional -, vai promover ainda mais a interação com outros mercados da moda. "Significa maior visibilidade e credibilidade, criando oportunidades e interação com o mundo", diz. MUDANÇA ESTRUTURAL O privilégio de aparecer entre os dez primeiros colocados da moda também foi vivido por Hong Kong. Outra grande novidade do ano 2009 foi Milão (Itália) ter ocupado a liderança, ultrapassando Nova York após um reinado de cinco anos. Barcelona (Espanha) e Miami (EUA) deixaram o topo da lista, segundo a publicação da GLM. No site em que as informações foram publicadas, as alterações na moda são explicadas com os princípios econômicos. "A reorganização da economia global tem afetado a indústria da moda, assim como todas as outras coisas", afirmou Millie L. Payack, diretor e correspondente de moda da Global Language Monitor. "As passarelas estão lotadas, apesar da visibilidade comprometida, da publicidade um pouco mais retraída e da fuga de investimentos." RANKING 1. Milão 2. Nova York 3. Paris 4. Roma 5. Londres 6. Los Angeles 7. Hong Kong 8. SÃO PAULO 9. Sydney 10. Las Vegas 11. Dubai 12. Tóquio 13. Miami

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.