São Paulo fará distribuição gratuita de anticoncepcionais

O governo do Estado de São Paulo lançou nesta quarta-feira, 7, o novo programa de Saúde da Mulher (válido para o quadriênio 2007-2010), que prevê dentre outras ações a distribuição gratuita de anticoncepcionais e "pílulas do dia seguinte" e o aumento da alocação de recursos para ampliar os serviços de laqueadura e vasectomia em todo o Estado."A melhor maneira de comemorar a Semana Internacional da Mulher é trabalhando por elas", destacou o governador José Serra (PSDB), no início da tarde desta quarta, no anúncio do programa. Segundo ele, as ações serão simultâneas em todo o Estado e deverão melhorar os indicadores deste segmento.O secretário estadual de Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata, disse que o programa já apresenta bons resultados. Ele afirmou que de 2000 a 2005 houve redução de 30% nos óbitos de mulheres no parto e pós-parto e queda de 22,83% nos índices de gravidez na adolescência (que abrange meninas de 10 a 19 anos). "A gravidez na adolescência é o problema número 1 do adolescente (meninas), ao lado da violência e delinqüência, no caso dos meninos", destacou José Serra, reiterando que a intenção de sua administração é continuar melhorando esses indicadores.O secretário Barradas disse que em algumas regiões do Estado, como a capital, os indicadores da saúde da mulher estão próximos ao dos países desenvolvidos. Porém, em outras áreas, como o Vale do Ribeira e o Pontal do Paranapanema, esses índices estão próximos dos países em desenvolvimento. "Isso levou o Estado a investir nas áreas mais problemáticas e a incrementar as parcerias com 79 municípios," explicou. Os investimentos na assistência à gestação e parto, por exemplo, serão da ordem de R$ 10 milhões.Além da distribuição gratuita de anticoncepcionais orais e injetáveis, de DIUs e da pílula do dia seguinte, que constam do planejamento familiar, o novo programa de Saúde da Mulher prevê também ações para o controle do câncer ginecológico - como os mutirões de Papanicolau e de mamografias - a ampliação dos serviços de diagnóstico de média e alta complexidade, a ampliação no atendimento às mulheres vítimas de violência, investimentos da ordem de R$ 10 milhões na assistência à gestação, parto e pós-parto e repasse de R$ 3,2 milhões aos hospitais universitários para a ampliação dos serviços de laqueadura e vasectomia.Barradas informou, ainda, que neste primeiro semestre estarão sendo abertos 250 novos leitos no Hospital da Mulher.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.