Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

São Paulo lança cartilha para policiais civis

O policial de São Paulo que ler o Manual Operacional do Policial Civil, lançado nesta quinta-feira pela Secretaria da Segurança, vai saber que, na gíria dos criminosos, PABX é revólver e ar-condicionado, fuzil AR-15. Vai encontrar noções de medicina forense, criminalística, manejo de armas, golpes de conto do vigário, lições sobre o crime organizado edelitos cometidos pela internet, além de técnicas de infiltração em quadrilhas de criminosos.O secretário da Segurança, Saulo Abreu, disse que a leitura do manual será obrigatória. "Os delegados estão orientados a entregar os exemplares e seus policiais e cobrar aleitura. O manual traz detalhes de uma polícia atualizada."O delegado-geral, Marco Antonio Desgualdo, explicou que era preciso um manual moderno para substituir o antigo, da década de 60. A "cartilha" tem 660 páginas distribuídas em 25capítulos e foi preparada durante um ano e meio por dez professores da Academia da Polícia Civil, que pesquisaram centenas de crimes.Ao ler o livro, além de aprender sobre novasmodalidades de crime, o investigador vai relembrar estratégias básicas de apuração, como a "campana". O texto da página 49informa que "campana" é expressão de gíria que significa "observação discreta para conhecer os movimentos de uma pessoa e saber suas ligações". A prática, porém, foi abandonada pelamaioria dos policiais, que preferem deixá-la a cargo de informantes.Há no manual orientações óbvias. Uma delas recomenda levar sempre dinheiro para pagar despesas comuns, como táxi ou ônibus, a fim de evitar a paralisação da investigação. Outrocapítulo aborda a preservação de locais de crime. Segundo delegados, o texto deveria ser lido pelos policiais militares, os primeiros a atender às ocorrências.

Agencia Estado,

16 de janeiro de 2003 | 20h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.