Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

São Paulo pode registrar novo recorde de temperatura mínima, 7°C, nesta terça

Registro mais baixo foi apontado no último sábado, com 8,2°C; frente fria perde força no Sul do País, mas deixa tempo instável na Bahia nos próximos dias

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2020 | 09h08

Os termômetros despencaram no fim da última semana, por causa de uma intensa massa de ar frio de origem polar. A capital paulista registrou novos recordes e a temperatura mínima do sábado, inclusive, foi a menor do ano até agora, 8,2°C. As noites e madrugadas vão continuar geladas nos próximos dias. Segundo a Climatempo, não dá para descartar a possibilidade de novos recordes ainda entre segunda e terça-feira, com mínimas previstas de 8°C e 7°C, respectivamente.

Com a presença do sol, as temperaturas durantes as tardes ficam mais elevadas, e, até o fim da semana, a sensação já volta a ser de calor nas áreas do leste do Estado, e também nas cidades de Sorocaba, Itapetininga, Botucatu, Campinas e na capital.

Muita chuva caiu sobre áreas de São Paulo com a passagem da forte frente fria. No último fim de semana, os volumes foram elevados e o céu permaneceu nublado. Agora, a tendência já é de uma semana mais seca e com tempo firme, informou a Climatempo.

O sol vai aparecer mais forte também nas praias, e as temperaturas vão subir. Pelo interior, a umidade relativa do ar vai entrar em declínio, principalmente durantes as tardes, e índices críticos devem ser registrados ao longo da semana.

A frente fria foi a responsável por derrubar as temperaturas não só em São Paulo, mas em todo o País. O fenômeno já está a caminho do Oceano Atlântico, mas agora é preciso ficar de olho na forte chuva que vem por aí.

De acordo com a Climatempo, "ventos devem soprar com moderada a forte intensidade na costa do Espírito Santo e no Norte Fluminense, causadas pela atuação de um ciclone subtropical que se forma em alto mar na altura da costa capixaba."

No Rio, que também registrou baixas temperaturas no fim de semana, começa a esquentar no fim da semana, quando as temperaturas máximas voltam a superar os 27°C.

A massa de ar frio que derrubou as temperaturas até em Estados como Acre, promete dar trégua. Cuiabá, capital do Mato Grosso, por exemplo, chega a 41°C a partir de terça-feira.

Temperaturas negativas e geada no Sul do Brasil

No Sul do País, as estações do EPAGRI/CIRAM registraram temperaturas negativas na manhã de domingo, 23. Cidades de Santa Catarina viram termômetros negativos, com Bom Jardim da Serra chegando aos -4,8°C. Segundo a Climatempo, cidades próximas das Serras Gaúcha e Catarinense podem ter apresentado geada no início do dia. 

Nesta segunda, 24, há chance de geada também no sul do Planalto de Ponta Grossa, no Estado do Paraná. Nas áreas mais altas da Serra Catarinense ainda podem ocorrer registros de temperaturas negativas, porém, na região da Serra Gaúcha, as temperaturas mínimas devem ficar acima dos 2°C.

Nos próximos dias, a massa de origem polar perde força no Sul do País e, com isso, as temperaturas mínimas vão aumentando gradativamente. Assim, a ocorrência de geada se torna mais difícil nas áreas sulistas, ficando concentradas principalmente nas Regiões Serranas de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul

Na terça, 25, as temperaturas sobem no período da manhã e as condições de geada deverão ser observadas apenas em picos da Serra Catarinense extremamente isolados.

Semana com chuva e ventos fortes no litoral da Bahia

Na Bahia, o frio não foi tão intenso, mas a massa de ar polar trouxe muita chuva. A frente fria no oceano deixou o tempo instável na costa leste do Estado no domingo. Chuva e ventos fortes no decorrer do dia foram registrados. Em Ilhéus, por exemplo, as rajadas chegaram a 57km/h. A tendência é de tempo instável também para os próximos dias.

Nesta segunda, a frente fria segue avançando pelo oceano, e o tempo vai ficar bastante carregado por todo sul e leste do Estado - com céu nublado e risco de chuva moderada a forte.

Os ventos continuam ao longo do dia, e as rajadas podem alcançar 60km/h, inclusive em Salvador. A chuva persistente deve gerar um grande volume acumulado nas áreas entre Caravelas, Porto Seguro, Ilhéus e a capital baiana.

Além disso, a atenção deve ser redobrada, pois o mar fica agitado no litoral do Estado, com chance de ressaca, segundo a Marinha do Brasil.

Na terça, a chuva até diminui, mas na quarta já volta a aumentar. No decorrer da semana, um novo ciclone subtropical deve se formar no oceano entre a costa do Sudeste e Nordeste. Este sistema vai reforçar a instabilidade no litoral e sul da Bahia, portanto há previsão de chuva nos próximos dias, e mais rajadas de vento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.