São Paulo Reclama

Carta 18.978 Imóvel comprado com dívida Em 7/3, comprei um apartamento arrendado pela CEF. Na época da venda, o corretor (da própria caixa) avisou que o imóvel tinha dívidas (condomínio, IPTU,taxa do lixo), mas eu que não me preocupasse, pois a CEF as quitaria. Mais de quatro meses se passaram e eles não quitaram nem o IPTU nem a taxa do lixo. Dizem que ?não há o que fazer, estão esperando pela Prefeitura?. Um absurdo, pois se eu não pagasse as prestações por quatro meses, pagaria juros. DANIELA CASSIARI MARTINHO Capital A CEF responde: "Pelo contrato de financiamento, os débitos tributários anteriores à compra do são de responsabilidade da Caixa, inclusive IPTU e taxa do lixo. Como explicamos à mutuária, por serem débitos anteriores a 2004 o pagamento é feito diretamente à Prefeitura, pelo Programa Incentivado. Após isso, emitiremos boletos para quitar os débitos ref. aos demais exercícios, até a data de compra do imóvel, regularizando assim a situação." Tenho o cartão da CEF desde 2002 e parei de usá-lo, mas o banco passou a cobrar anuidade de R$ 80, em quatro parcelas. Não paguei e liguei para cancelá-lo, mas a CEF não deixou; estornou a cobrança, mas continua cobrando multa sobre a anuidade de um cartão que não uso. Agora, ameaçam enviar meu nome para o SPC! ANDRÉ VANETTI MILANI Capital A CEF responde: "O valor do saldo devedor será estornado e o cartão cancelado, a pedido do cliente." Carta 18.979 Conta de funcionário Sou funcionário do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e, como todos os funcionários estaduais, tive de abrir conta na Nossa Caixa no final do ano passado para receber o meu salário. Durante os primeiros meses eu estava isento de tarifas, mas a partir de abril o banco começou a cobrar pelo pacote. Pedi exclusão do pacote, já que mantive a minha conta no Banespa, mas disseram que o sistema não permite e eu tenho de aderir a um dos pacotes, que custam de R$ 7 a R$ 18 (já com 25% de desconto). Em 27/4 soube que o governador fez um contrato ?vendendo? para a Nossa Caixa a folha de pagamento dos funcionários estaduais, contrato em que há cláusulas que isentam de tarifas o funcionário que pretender manter conta em outro banco. Eis o texto: "O Banco Nossa Caixa não poderá efetuar cobrança de tarifas bancárias dos servidores e empregados públicos abrangidos pelos serviços objeto do presente contrato relativas aos seguintes serviços: 1-transferência, total ou parcial, dos créditos para outras instituições; 2-saques totais ou parciais dos créditos; 3-fornecimento de cartão de crédito e/ou talonário de cheques para movimentação dos créditos". Pedi ressarcimento do desconto feito em abril e para não mais cobrarem nenhuma taxa a partir daí, e o pedido foi aceito pelo banco. Em maio, a gerente da conta ligou dizendo que o Jurídico havia analisado o pedido e não mais me cobrariam pelo pacote de tarifas, apenas uma taxa de manutenção da conta, de R$ 7. Segundo ela, essa taxa é legal, já que a minha conta não é conta-salário (vigente para funcionários a partir de 2012). Perguntei se o banco estaria ganhando dinheiro às minhas custas até 2012, e a resposta foi que o banco pagou mais de R$ 2 bilhões pela folha de pagamentos. Se a intenção do governo era isentar o funcionário de taxas, como é que o Depto. Jurídico encontrou uma brecha no contrato, e o valor foi exatamente de R$ 7? RONNY ANDRÉ WACHTEL Cerqueira César A Nossa Caixa responde: "Segundo a Resolução 3.424 do CMN de 21/12/06, a implantação da conta-salário para servidores e pensionistas do Estado foi adiada para 31/12/11. Desde abril, pelo acordo firmado entre a Nossa Caixa e o governo do Estado, os servidores estão isentos de tarifas para transferência total ou parcial dos créditos para outras instituições; saque total ou parcial dos créditos; cartão magnético e talonário de cheques para movimentação dos créditos. A Resolução do CMN e o contrato entre banco e governo paulista não isentam, contudo, a cobrança da tarifa de manutenção da conta. Oferecemos ainda 25% de desconto nos pacotes Plus e Classic; crédito consignado com até 100 dias de carência; cartão múltiplo (débito + crédito) com a 1.ª anuidade, grátis, e 50% de desconto a partir da 2.ª; financiamento imobiliário, com taxa de juros especial e até 20 anos para pagar; condições especiais no cheque especial; antecipação do 13.º e seguro de vida com condições diferenciadas. Informações: tel. 4004-2151 (SP/Grande SP) e 0800-709-0151 (outras)."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.