São Paulo reclama

A quem recorrer?Minha empregada solicitou à Comgás para que a empresa analisasse a situação de meu aquecedor. Os funcionários cortaram o fornecimento de gás da parte de cima de meu sobrado porque a instalação não estava dentro das normas. Telefonei para as empresas indicadas pela Comgás, mas ou não fazem o serviço em banheiros ou ignoram o chamado. Por ter sofrido um acidente, faço compressas de água quente e não posso descer a escada de casa para usar o chuveiro elétrico. Estou há mais de um mês sem água quente e corria riscos sem saber. A Comgás deveria ter me comunicado das mudanças, para que as adaptações pudessem ter sido feitas. CARMEN F. FONSECASão PauloA ouvidora da Comgás, Bete Akemi, informa que, após visita técnica realizada no imóvel, houve a necessidade de plugar o ponto de abastecimento de gás do aquecedor por terem sido constatadas irregularidades técnicas e normativas na sua instalação. Em 4/11, a equipe de emergência da empresa foi acionada para verificar se havia vazamento na instalação interna do imóvel, e não havia. Mas irregularidades técnicas e normativas na instalação do aquecedor foram encontradas, por isso houve a suspensão do fornecimento de gás. Para que a religação do gás para o aquecedor seja realizada, a cliente deve efetuar as devidas adequações.A leitora contesta: O fornecimento de gás ainda está suspenso e não consegui resolver o problema com as empresas indicadas pela Comgás. No último sábado (29/11) uma funcionária disse para eu buscar outras companhias.As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.