São Paulo tem a tarde mais fria do ano; temperatura sobe a partir de terça

A cidade de São Paulo teve a tarde mais fria do ano, nesta segunda-feira, 31, onde a temperatura não passou dos 12,7 graus, de acordo com medição feita pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) no Mirante de Santana, na zona norte. A menor temperatura registrada numa tarde deste ano foi a de domingo, 30, com 14,9 graus. A partir da tarde desta terça, 1º, a nebulosidade começa a diminuir em São Paulo com o avanço da massa de ar polar em direção ao sul da Bahia. A temperatura deve começar a aumentar gradativamente, variando entre 10 e 21 graus, com pancadas isoladas de chuva, situação que deve se manter até quinta-feira. Na sexta-feira, 4, o sol reaparece e não há previsão de chuva com uma temperatura máxima em torno dos 23 graus, de acordo com previsão da Climatempo. Apesar de dias menos gelados, as próximas madrugadas continuarão frias.Esta tarde foi a mais fria do ano também no Rio de Janeiro. A temperatura não passou dos 20,1 graus na Praça Mauá, segundo o Inmet. Este valor superou o recorde anterior, que era de 21,5 graus no dia 24 de maio.A situação é inversa à da semana passada, quando São Paulo teve dias de verão em pleno inverno com temperaturas em torno dos 30 graus e umidade do ar oscilando entre 20% e 30%. Na última segunda-feira, 24, a cidade de São Paulo registrou 30,2 graus, a maior temperatura no mês de julho desde 1943.Frio no SulA madrugada desta segunda-feira, 31, também foi a mais fria do ano no Rio Grande do Sul. A estação da MetSul Meteorologia de São José dos Ausentes, na divisa com Santa Catarina, registrou 6,2 graus negativos. Na mesma região, os termômetros do 8º Distrito de Meteorologia chegaram a marcar 4,6 graus negativos em Cambará do Sul e 4,2 graus negativos em Bom Jesus. Houve casos de congelamento de água em encanamentos e em lagos e açudes.A geada foi forte em quase todo o Estado, inclusive em zonas tradicionalmente quentes, como o Vale do Rio dos Sinos. Só a zona litorânea, no leste do Rio Grande do Sul, escapou da geada, mas não do frio. Em Rio Grande, no litoral sul, a temperatura baixou para 1,9 grau. Em Torres, no litoral norte, caiu para 2,8 graus. Orientados pela Defesa Civil, as pequenas embarcações não saíram para o mar, evitando rajadas de vento de até 60 quilômetros por hora e ondas de até três metros de altura.Durante todo o dia, os gaúchos tiveram de andar de casacão. A temperatura máxima registrada pelo 8º Distrito de Meteorologia ocorreu à tarde, em Iraí, no noroeste, e não passou de 14,8 graus. Em Porto Alegre, os termômetros oscilaram entre 3,3 graus e 13 graus. Os três albergues da capital gaúcha que acolhem moradores de rua, e que têm capacidade somada de 350 pessoas, ficaram lotados.A previsão do 8º Distrito de Meteorologia indica mais frio nesta terça-feira, com novas geadas no norte, centro e oeste. A temperatura mínima será próxima de zero grau e a máxima de 18 graus. As madrugadas continuarão gélidas durante toda a semana, mas a temperatura tende a subir gradualmente até chegar a 24 graus durante o dia, na sexta-feira. Há expectativa de chuvas isoladas no nordeste na quarta-feira e na quinta-feira, e de pancadas espalhadas por todo o Estado na Sexta-feira.ParanáDepois de várias semanas em que os termômetros chegaram a quase 30 graus, o frio também voltou com tudo no Paraná. Em Palmas, na região sul, os termômetros marcaram 1 grau negativo durante a madrugada desta segunda-feira, 31. Por volta das 7 horas da manhã, a temperatura ainda era de 0.6 grau negativo. Guarapuava, no centro-sul, registrou 0,5 grau.De acordo com o meteorologista do Instituto Tecnológico Simepar, César Duquia, o vento e a nebulosidade não permitiram ver o gelo, mas nessas localidades ocorreu o que se costuma chamar de "geada negra". Em Curitiba, os termômetros registraram a temperatura mínima em 6 graus centígrados. A nebulosidade permaneceu por todo o dia na capital paranaense. Para a terça-feira, 1º, a previsão é que as temperaturas sejam ainda menores. Nas regiões mais ao sul do Estado, a previsão é de que a geada seja mais forte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.