São Paulo terá mais uma taxa. Agora é a da água

Depois de taxar o lixo, a iluminação e de planejar a cobrança do imposto por uso do subsolo, a prefeita Marta Suplicy (PT) prepara mais uma ofensiva na área tributária. Desta vez, ela está de olho na cobrança da água. Além de querer fixar o preço da conta de água dos paulistanos, a prefeita também pretende dar a palavra final nos trabalhos de expansão e no gerenciamento da Sabesp - empresa do governo do Estado, responsável pela distribuição de água na cidade e pelo tratamento de esgoto. Na última quinta-feira, Marta encaminhou projeto à Câmara Municipal que cria o Plano Municipal de Saneamento e o Sistema Municipal de Regulação de Serviços Públicos de Abastecimento de Água e de Esgoto Sanitário (Sire). Pelo projeto, sempre que a Sabesp quiser aumentar a rede de abastecimento de água ou esgoto ou fazer manutenção na rede da cidade terá de submeter essa pretensão à Prefeitura. Só com autorização municipal é que as obras poderão ser realizadas. Além disso, todo o gerenciamento dos novos investimentos tem de ser aprovado pelo Sire. A fixação das tarifas e seu valor também vão ser atribuição do município e não mais da empresa, embora fique com a Sabesp toda a verba da conta de água.Leia mais

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.