São Paulo terá táxi pré-pago

Como aconteceu com Cumbica, a Secretaria Municipal de Transportes deve regulamentar, nos próximos dias, o serviço de táxis pré-pagos do Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo. A regulamentação traz embutida a diminuição de 20%, 30% e até 50% da tarifa paga no balcão de embarque. A categoria afirma que a tarifa, na maior parte dos casos, sairia mais cara se fosse cobrada pelo taxímetro.Segundo o diretor do Departamento de Transportes Públicos (DTP), Walter Kufel, a tarifa pré-paga é uma garantia de tranqüilidade para o passageiro que não conhece a cidade. O valor, no entanto, está muito alto. ?Vamos trazer as tarifas para valores mais próximos do real, senão não há vantagem para o passageiro em pagar valores mais altos.? Atualmente, uma corrida do Aeroporto para o centro da cidade, por exemplo, fica em R$ 28. Para o bairro de Alphaville, em Barueri, sai R$ 67. O presidente da Associação dos Motoristas do ponto 606, que congrega os 331 profissionais de táxi comum do Aeroporto, Walter Lopes, defende a nova tabela. ?Se o passageiro pagar pelo taxímetro e pegar congestionamento, o valor será, com certeza, muito mais alto.?De acordo com Lopes, os valores das tarifas são calculados pela média com trânsito livre, mas não há bandeira 2 ou preço diferente nos fins de semana. ?Esses dias, um colega que cobra pelo taxímetro levou um passageiro ao Largo do Arouche, pegou trânsito carregado e a corrida saiu por R$ 48, valor que é o dobro da tarifa fixa.?Caso prefira, o passageiro também pode pegar os táxis direto na saída do Aeroporto, pagando pelo taxímetro, sem passar pelo balcão de pré-pagos. Por enquanto, só os taxistas do Terminal Rodoviário do Tietê estão regulamentados por portaria do ex-secretário Getúlio Hanashiro. Os de Congonhas ainda trabalham com autorização provisória.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.