São Paulo volta a ter clima de verão em pleno inverno

São Paulo voltou a apresentar temperaturas de verão em pleno inverno, após uma semana de frio e chuva. Na tarde desta segunda-feira, de acordo com medição do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a temperatura na capital paulista chegou a 29 graus, mesma temperatura máxima que deve ser alcançada nesta terça-feira, 8. Uma grande massa de ar seco que está sobre o País continua mantendo o tempo firme e o calor deve se manter até o fim da semana em todo o Estado, de acordo com previsão da meteorologista Josélia Pegorin, da Climatempo.O clima ficará muito parecido com o de duas semanas atrás, quando as temperaturas ficaram em torno de 35 graus no Centro-Oeste e 30 graus no Sudeste com baixa umidade do ar. Na tarde desta terça, a umidade do ar deve ficar muito baixa em todo o Estado, com médias abaixo de 20% no norte de São Paulo, na região de Ribeirão Preto, e entre 20 e 25% nas demais regiões, incluindo a capital. Segundo a Organização Mundial de Saúde, este patamar coloca a região em estado de alerta. Sem chuvaO tempo firme com muito calor e umidade baixa deve continuar até a próxima sexta-feira, 11. Até lá não há nenhuma expectativa de chuva. Na quinta-feira, 10, a nebulosidade deve aumentar um pouco em São Paulo devido à passagem de uma frente fria. Mas, ela logo se afasta para o mar e não terá força suficiente para provocar chuva.Queimas suspensasA Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo voltou a suspender as autorizações para queima da cana-de-açúcar a partir das 18 horas desta terça-feira, nas regiões de São José do Rio Preto, Ribeirão Preto, Araraquara e Barretos, em razão dos baixos índices de umidade relativa do ar. Segundo a Secretaria, as autorizações para as queimas controladas voltarão a vigorar quando o monitoramento das condições climáticas indicarem que os níveis de umidade relativa superam os 25%. A suspensão está prevista no artigo 14, do decreto 47.700, de 11 de março de 2003: "a suspensão parcial ou total da queima da palha de cana pode ser determinada após constatados e comprovados risco de vida humana, danos ambientais ou condições meteorológicas desfavoráveis".A suspensão dos planos de queima aprovados pelo Departamento Estadual de Proteção de Recursos Naturais (Deprn) foi determinado pelo Secretário Estadual do Meio Ambiente, José Goldemberg. Se o produtor descumprir a determinação, será advertido inicialmente e, se reincidente, poderá ser autuado pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) e multado em valores que variam de R$ 139,30 a R$ 139.300,00.Entre o dia 26 e 29 de julho a queima também havia sido suspensa pelas mesmas condições, mas em todo o Estado, e 11 usinas foram autuadas pela Cetesb.(Colaborou Gustavo Porto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.