Saque de seguro-desemprego

Há cinco meses fui receber meu seguro-desemprego e constatei que, por uma fraude, minhas parcelas haviam sido sacadas por outra pessoa no Rio Grande do Sul (sou de São Paulo). Depois de todo esse tempo, só no dia 31 de março o Ministério do Trabalho me chamou e apresentou o documento assinado pela pessoa que o recebeu com assinatura muito diferente da minha. O local de recebimento e a letra diferente já são bases para me dar o direito, porém soube que a análise grafotécnica demorará um ano. Quero fazer esta denúncia, pois muitas pessoas estão passando pela mesma situação que eu e estão desorientadas. Uma simples busca no Google mostra vários casos como esse, mas, sem pressão da mídia, os órgãos públicos e a burocracia nos fazem reféns.LUCIANO VITORIANOSão PauloA Assessoria de Imprensa Regional Paulista da Caixa Econômica Federal esclarece que o papel da Caixa é apenas de agente pagador do Seguro-Desemprego, atuando como rede complementar à do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). De acordo com a Lei n.º 7.998, 11/1/1990, art. 23, a responsabilidade pela gestão e fiscalização do programa de Seguro-Desemprego, do Fundo de Amparo ao Trabalhador e pelo recebimento e deferimento ou não dos requerimentos cabe ao MTE. O Ministério é responsável por recepcionar contestações de saque de parcelas, constituindo processo, analisando fatos, estabelecendo prazos e dando parecer conclusivo, conforme o caso. A Caixa sugere ao sr. Vitoriano que entre em contato com o posto do Ministério onde foi efetuada a sua contestação de saque.Assalto em trem No dia 24 de março, por volta das 19h40, houve um arrastão em um trem da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Cerca de 80 passageiros que estavam no último vagão do trem do trecho Barra Funda/Itapevi, entre as Estações Quitaúna/Gal. Miguel Costa, foram assaltados por dois rapazes que entraram no vagão com mochilas (como se fossem vendedores ambulantes). Quando as portas do vagão se fecharam, um deles deu um tiro no teto e os dois recolheram os pertences dos passageiros. Na estação, onde os assaltantes desceram, há câmeras, mas a iluminação precária dificulta a identificação. Os passageiros foram registrar o Boletim de Ocorrência na Delegacia de Carapicuíba e lá havia um senhor que também fora assaltado em um trem na Estação de Osasco. A CPTM não possui uma política de segurança preventiva?DAVID PEREIRA CRUZSão PauloA Companhia Paulista de Trens Metropolitanos informa que a área de segurança da companhia investigou o caso, identificou os autores do delito por meio das imagens do circuito interno de câmeras e as vítimas confirmaram o reconhecimento dos ladrões. Diz que as informações foram repassadas à polícia, que dá continuidade aos procedimentos legais e que um dos assaltantes foi preso pela Polícia Civil, em ação conjunta com a área de Segurança da CPTM. Esclarece que, para coibir delitos, equipes de segurança uniformizadas e à paisana fazem rondas nas estações e trens em todas as linhas e a Central de Monitoramento acompanha o movimento das 89 estações, em tempo real, por meio das imagens das 1.579 câmeras instaladas em pontos estratégicos do sistema. Nos horários de menor movimento, a companhia diz que faz operações de segurança com vistoria nos trens e estações, como também adota outras estratégias em parceria com as Polícias Civil e Militar e guardas municipais das cidades atendidas pela CPTM. Diz que os passageiros podem colaborar fornecendo informação sobre suspeitos pela Central de Atendimento ao Usuário: 0800-055-0121 ou enviando torpedo para o número 7150-4949.Descaso com monumentoTodos os dias, ao final da tarde, uma horda de turistas teima em escalar o Monumento às Bandeiras, em frente ao Parque do Ibirapuera. Ela vem munida de máquinas fotográficas e cesta de piquenique. A cena de depredação da obra de Brecheret e a consequente sujeira no gramado são presenciadas e toleradas pelos policiais que estão lá todos os dias.PAULO CARDOSO DA SILVA JÚNIORSão PauloA Prefeitura não respondeu.Burocracia Em novembro de 2008 tive ganho de causa definitivo em processo contra o INSS. E desde essa data aguardo em vão o envio da sentença ao INSS pelo Tribunal Federal da 3.ª Região para receber os benefícios. ANTONIO MANUEL DA SILVASão Bernardo do CampoAs cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.