Sargento afirma que secretário pediu trégua policial em morro

O sargento da Polícia Militar Carlos Rodrigues Gomes Sátiro, do 16º Batalhão da PM (Olaria), confirmou a denúncia contra o secretário estadual de Esportes, Francisco de Carvalho, o Chiquinho da Mangueira, que supostamente teria pedido uma trégua nas operações policiais na favela. Sátiro não quis dar detalhes, e disse apenas que "os fatos são verdadeiros." Na sexta-feira, o deputado estadual Paulo Ramos (PDT), integrante da Comissão de Segurança Pública da Assembléia Legislativa (Alerj), que investiga o caso, informou que foi procurado por Sátiro. Segundo o deputado, o sargento acusou o secretário de interceder em favor de um comerciante, suspeito de vender entorpecentes na Favela Vila Cruzeiro, zona norte, na década de 90. DepoimentoResponsável pela Subsecretaria de Inteligência da SSP entre 1 de janeiro e 31 de março deste ano, o delegado Heralmir Ramirez Gomes prestou depoimento hoje na Alerj. Ele disse que recebeu, em fevereiro, documento reservado do então comandante do 4º BPM (São Cristóvão), tenente-coronel Erir Ribeiro da Costa Filho, informando que Chiquinho pedira trégua nas operações policiais no Morro da Mangueira por estar sofrendo pressão de traficantes.Gomes contou que, "pela gravidade do documento" o encaminhou diretamente ao secretário de Segurança na época, coronel Josias Quintal. "Ele disse que ia tomar providências, mas, depois de três semanas, mandou que eu arquivasse. Sei que ele (Josias) não determinou que a subsecretaria investigasse."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.