Sargento é morto ao escoltar carga na Castelo Branco

O sargento do Corpo de Bombeiros Marcos Terribile Bento, de 34 anos, foi morto com um tiro no peito nesta madrugada, quando fazia a escolta de um caminhão com carga, provavelmente de eletroeletrônicos, que seguia de São Paulo para Bauru. O crime, atribuído a uma quadrilha de ladrões de cargas, aconteceu no quilômetro 53 da Rodovia Castello Branco, altura da cidade de Araçariguama. Bento, que trabalhava no 5º Grupamento de Bombeiros de Guarulhos, na Grande São Paulo, estava de folga e fazia a escolta como "bico". Ele seguia o caminhão em um veículo Gol, na companhia do policial militar Jamir Fabiano, também contratado para a escolta. Segundo Fabiano, por volta da 1h30 da manhã, dois veículos Blazer, cada um ocupado por quatro homens, emparelharam com o Gol. Ele estava na direção do automóvel e tentou uma manobra de fuga. Os homens atiraram. O carro foi atingido por vários disparos, e uma das balas acertou Bento. O policial foi socorrido por uma viatura da concessionária Viaoeste, que administra a rodovia. Levado ao pronto-socorro do Hospital Santa Ângela, em São Roque, já chegou morto. Fabiano estava muito nervoso e não tinha sido ouvido oficialmente até a tarde de ontem. Ele comentou com policiais civis da cidade que uma da Blazers usadas pelos autores dos disparos era branca. A outra tinha cor cinza ou preta, com uma faixa branca. Como parou para dar socorro ao colega ferido, ele não soube informar o que acontecera com o caminhão, nem qual seria a carga do veículo. Ele será ouvido no inquérito aberto na Delegacia local. A Corregedoria da Polícia Militar abriu sindicância para apurar a morte do policial. O corpo do policial morto foi levado ao Instituto Médico Legal (IML) de São Roque e seria removido, no fim da tarde, para Guarulhos. Bento era casado e tinha dois filhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.