Sargento só cumpria ordens, diz advogado

Na primeira defesa pública de seu cliente, acusado de espionagem, o advogado Adriano Marcos Santos Pereira disse ontem que o sargento César Rodrigues de Carvalho acessava dados do Sistema de Consultas Integradas de Segurança Pública do Rio Grande do Sul a mando de suas chefias da Casa Militar.

Elder Ogliari / PORTO ALEGRE, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2010 | 00h00

O advogado negou que Carvalho extorquisse operadores de caça-níqueis em Canoas e diz esperar que a Justiça acolha, ainda hoje, o pedido de revogação da prisão preventiva do sargento.

O militar está preso no Batalhão de Operações Especiais da Brigada Militar, sob acusação de cobrar propinas de contraventores para mantê-los informados de operações policiais. Na mesma investigação, o Ministério Público constatou que Carvalho acessou indevidamente os dados de mais de 30 pessoas, entre as quais o ex-ministro da Justiça Tarso Genro (PT), o senador Sérgio Zambiasi (PTB) e a governadora Yeda Crusius (PSDB), além de deputados e delegados. Os acessos tanto poderiam ser para procurar deslizes quanto para avisar aliados de que havia alguma investigação contra eles.

Citado como um dos chefes que teriam requisitado as informações, o tenente-coronel da reserva Frederico Bretschneider Filho nega ter pedido ao sargento qualquer acesso ao sistema.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.