Sarney nega relação com acusada e interesse em projeto

Presidente do Senado diz que já havia cortado as relações com Fátima Pelaes e refuta acusação da PF de atuar por projeto

Rosa Costa / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

13 Agosto 2011 | 00h00

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), negou ontem, por intermédio de sua assessoria, envolvimento no esquema de desvio de verbas do Ministério do Turismo, repassadas para o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável (Ibrasi), uma ONG de fachada criada no Estado do Amapá.

Sarney disse que a única emenda de seu interesse no Estado, que destinava R$ 975 mil para o museu do Parque Nacional do Tumucumaque, não foi efetivada, "virou pó", segundo um assessor. Ele também negou que Sarney tenha conversado ou procurado o secretário de Desenvolvimento do Turismo, Colbert Martins, para falar de emenda de seu interesse. "Sarney nunca procurou Colbert nem ninguém do Ministério do Turismo para pedir nada", informou a assessoria.

Segundo o senador, "há um bom tempo" ele não tem mais ligação com a deputada Fátima Pelaes (PMDB-AP), que teria feito campanha para seu desafeto político, o ex-governador João Capiberibe (PSB). Na verdade, em 2010, ela apoiou Camilo Capiberibe para o governo.

Pelaes é autora de duas emendas para o Ibrasi, relacionadas a dois convênios com o Ministério do Turismo, no valor de R$4 milhões e de R$ 5 milhões.

O assessor disse que Sarney não quis falar na quinta-feira sobre o escândalo, quebrando a rotina de responder a perguntas dos repórteres quando chega ao Senado, para não "entrar" em tema com o qual tem nada a ver.

Encarregada da Operação Voucher, que resultou na prisão de 35 pessoas envolvidas nas irregularidades entre o Ministério do Turismo e entidades do Amapá, a Polícia Federal afirma, com base numa gravação autorizada pela Justiça, que José Sarney teria "interesse" em projeto que recebeu R$ 3 milhões e nunca saiu do papel. Em um dos diálogos, revelados pelo portal do Estado, Colbert afirma: "E tem que ver aquela obra lá do Amapá, aquela lá da Fátima Pelaes, daquela confusão do mundo todo que é interesse do Sarney. Tá certo? Que se cancelar aquilo, aquilo tá na bica de cancelamento, enfim, algumas que eu sei de cabeça, assim. Cancela aquela, pega Sarney pela proa, já vai ser mais confusão ainda, ok?". O projeto foi assinado pelo secretário executivo do ministério, Frederico da Silva Costa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.