Saúde do Rio está sem dinheiro para remédios

Com uma dívida de R$ 156 milhões, a Secretaria Estadual de Saúde do Estado do Rio de Janeiro não conseguiu pagar os fornecedores de medicamentos e repor o estoque - hoje o Estado conta com uma reserva de apenas 1% do total de remédios necessários para a manutenção do atendimento na rede.As dificuldades na Saúde foram anunciadas pelo próprio secretário de Saúde, Gilson Cantarino, que nesta segunda-feira foi nomeado oficialmente pela governadora Rosinha Garotinho. Cantarino afirmou que conseguiu uma verba de R$ 6,5 milhões, o que vai, segundo ele, permitir a compra de remédios para garantir o abastecimento da rede até o fim do mês.Depois disso, ele ainda não sabe como vai conseguir regularizar a situação e evitar falta de medicamentos em postos de saúde e hospitais da rede. DengueO novo secretário anunciou um plano para a saúde do Estado e fixou como prioridade o combate à dengue, à hanseníase e à tuberculose. Cantarino e a nova governadora prometeram ainda a criação de um cheque-cidadão-saúde, uma ajuda para transporte e alimentação que faça com que o doente tenha condições de manter o tratamento de doenças graves.Mas o secretário admitiu que ainda não sabe quantas pessoas serão beneficiadas nem qual será o valor do tíquete. Sobre o combate à dengue, afirmou que, apesar da falta de dinheiro, todas as ações serão mantidas. A prorrogação dos contratos de mata-mosquitos também está garantida, disse.Neste caso, a secretaria teve que pedir ajuda à Fundação Nacional de Saúde (Funasa), que, segundo ele, deverá pagar o salário dos agentes de saúde nos próximos seis meses. A governadora Rosinha Garotinho disse a uma platéia de prefeitos e secretários municipais de Saúde que sua intenção é colocar o Estado em ordem e pagar todas as dívidas. Ela garantiu que os municípios podem contar com o Estado e recorrer a ele na hora das dificuldades, mas afirmou: "Só esperem um pouco para que a situação melhore".Apesar da crise e da falta de dinheiro no Estado, a cerimônia foi bem-humorada. Rosinha sorriu o tempo todo, até quando o mestre de cerimônias, Renato Magalhães, se equivocou e apresentou a governadora como "Rosinha Garotinha". Imediatamente consertou, pediu desculpas e brincou: "Ninguém merece".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.