Saúde e educação têm mais queixas

As duas áreas são as únicas em que as reclamações à Ouvidoria do Município aumentaram no ano passado

Fábio Mazzitelli, JORNAL DA TARDE, O Estadao de S.Paulo

20 de março de 2009 | 00h00

Áreas "prioritárias" nos discursos do prefeito Gilberto Kassab, saúde e educação foram as únicas da administração municipal que aumentaram o número de queixas entre os líderes do ranking de reclamações da Ouvidoria-Geral do Município, segundo o relatório anual do órgão divulgado ontem. A quantidade de queixas relacionadas à Secretaria da Saúde e à Secretaria de Educação subiram 32% e 66%, respectivamente, de 2007 para 2008. Saúde representa, por exemplo, quase a metade (48%) das 2.918 reclamações de qualidade de atendimento da Prefeitura. Esse tipo de queixa subiu 169% no ano passado e figura em segundo lugar na lista de motivos. Líder histórico de registros, o item "iluminação pública" sofreu queda de 46%, saindo de 7.408 para 4.023 queixas.Nos atendimentos por órgão público, a Secretaria Municipal de Educação saiu do sétimo para o terceiro lugar na quantidade de reclamações, com 797 registros. O item "escolas" é a maior parte desse universo, com 533 queixas, e passou a figurar na lista das reclamações mais comuns - está na oitava posição.Os aumentos das queixas nas áreas sociais estão na contramão dos números dos demais setores e itens listados no relatório da Ouvidoria. Como a quantidade de atendimentos do órgão caiu 22% em 2008, de 22 mil para 17 mil, a maioria das queixas da população despencou. Além de iluminação pública, caíram as reclamações de jardinagem (48%), que inclui podas de árvores, buracos de rua (27%), comércio irregular (25%) e do Programa do Silêncio Urbano, o Psiu (24%).Para a ouvidora do Município, Maria Inês Fornazaro, o aumento das queixas relacionadas à qualidade de atendimento é importante. "Significa que os cidadãos não recebem atendimento, no mínimo, adequado. São atendidos de forma grosseira ou não obtêm informação", afirma. Ela pondera, entretanto, que as críticas à saúde municipal são as únicas feitas diretamente na Ouvidoria, pela urgência do tema. Nas demais áreas, o cidadão precisa fazer a primeira tentativa no órgão de origem para, depois, se o problema não for solucionado, acionar o ouvidor.O contato com a Ouvidoria pode ser feito pelo 0800- 17-5717, de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas. A ligação é gratuita. O atendimento pessoal é feito na Av. São João, 473, 16º andar, no centro. NÚMEROS4.168 atendimentosforam feitos no ano passado pela Secretaria Municipal de Serviços, ante 7.467 em 20074.045 atendimentosocorreram pela Secretaria da Saúde, ante 3.060 em 2007. Na sequência vieram Educação, com 797 registros; Coordenação das Subprefeituras, com 611; e CET, com 546. No total, foram 17.272 atendimentos pela Ouvidoria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.