AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

SC vai transferir detentos de alta periculosidade para presídios federais

Governo federal ofereceu as vagas por conta da onda de violência no Estado

Júlio Castro, Especial para o Estado,

04 de fevereiro de 2013 | 21h57

FLORIANÓPOLIS - Em entrevista coletiva no final da tarde desta segunda-feira, o governador de Santa Catarina Raimundo Colombo (PSD) anunciou que aceitou as vagas em presídios federais oferecidas pelo Ministério da Justiça e que elas serão ocupadas pelos presos de alta periculosidade e aqueles suspeitos de liderarem facções criminosas no interior das unidades prisionais no Estado. "Estamos trabalhando integrados com o Governo Federal. Na quarta-feira tenho uma audiência com o ministro da Justiça (José Eduardo Cardozo) com quem venho conversando pelo celular desde o início dos ataques", disse o governador catarinense. Temos que enfrentar com muito rigor estas manifestações criminosas. O papel do Estado é garantir a ordem e o direito das pessoas e isso nós não vamos abrir mão de forma nenhuma. Temos investimentos futuros a fazer, assegurados... Não há inércia, não há omissão, não há descaso, há crise que precisa ser enfrentada e resolvida", completou o governador.

A decisão pela transferência dos "cabeças" das organizações atesta a suspeita de que os atentados ocorridos nos últimos cinco dias estão sendo ordenados de dentro das penitenciárias de Santa Catarina. Colombo aproveitou a ocasião para anunciar a realização de concurso público para contratação de 1.500 policiais militares, além da contratação de 60 oficiais e a realização de curso de aperfeiçoamento para mil homens do efetivo da Polícia Militar. Também autorizou concurso público para contratação de 300 agentes penitenciários.

Também participaram da coletiva o secretário de Estado da Segurança Pública, Cesar Grubba; a secretária da Justiça e Cidadania, Ada De Luca; o comandante da Polícia Militar, Nazareno Marceneiro; e o diretor do Departamento de Administração Prisional, Leandro Lima. Quando perguntado sobre se o vídeo que mostrava agressões realizadas por agentes penitenciários em Joinville era a causa dos ataques, o diretor do Deap respondeu que é uma soma de fatores. Entre eles, o indiciamento de 13 líderes da facção em inquérito que apurou para morte da agente penitenciária Deise Fernanda Melo Pereira Alves, a prisão de uma advogada representante de alguns presos nesse mesmo inquérito, a transferência de um dos líderes da facção para uma casa penal no sul do Estado e o caso de abuso de autoridade em Joinville, além da intensificação do combate ao tráfico no Morro do Horácio, na Capital.

Tudo o que sabemos sobre:
AtentadoSanta Catarina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.