Schoedl passou em 14º lugar em concurso do MPE

O promotor Thales Ferri Schoedl formou-se em Direito na Universidade Presbiteriana Mackenzie, na zona oeste, mas não chegou a trabalhar antes de entrar no Ministério Público Estadual. Nos autos do processo do julgamento administrativo, constam depoimentos colhidos pela acusação de que ele gostava de participar de festas, bebia muito e ficava agressivo - informações contestadas por ex-alunos ouvidos pelo Estado, que afirmam que Schoedl mal é lembrado nos corredores do Mackenzie. Depois de se formar, ele fez cursinho no Complexo Jurídico Damásio de Jesus, na Liberdade. O cursinho deu resultado - no concurso do MPE de 2002, Schoedl passou em 14º lugar, em um total de 8.440 inscritos. O ex-corregedor Paulo Ideo Shimizu, no entanto, afirmou na época do crime que ele não tinha capacidade para ocupar o cargo. O laudo psicológico de Schoedl, usado para pedir sua exclusão do MPE, apontou que ele é imaturo e não sabe agir sob pressão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.