''Se não domesticar, a angústia da morte te paralisa''

"Não tem solução. A angústia é parte da condição humana", constata Fernando Henrique, que após oito décadas de existência exibe a serenidade dos que driblam os conflitos da existência e convivem com a morte. Só na semana passada, lembra ele, dois amigos se foram: o ex-ministro Paulo Renato Souza e Juarez Brandão Lopes. "Sem falar outras mortes na família, a da Ruth."

Malu Delgado, O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2011 | 00h00

"Você tem que dar sentido à vida. Ela não tem sentido em si. E cada um vai ter que dar o seu sentido à vida. E vai sofrer para encontrar. E vai ter que funcionar sempre um pouco como os existencialistas pensavam sobre a angústia da morte. Você tem que, ao mesmo tempo, domesticar essa angústia da morte, porque senão ela te paralisa", diz, encarnando a emoção que se mistura com a racionalidade do sociólogo.

Fernando Henrique, aliás, é pura emoção. Disse, na festa do PSDB, um "eu amo vocês" em alto e bom som. "Cada um de nós terá os seus mortos-vivos. Talvez isso arrefeça um pouco a angústia. Mas sempre haverá angústia, porque você não tem respostas para muitas coisas."

E a receita dessa existência sem respostas, prega, é o convívio humano. "Você não vive sem amizade, sem amor, sem adversidade. Quanto mais você fica velho e, portanto, mais maduro - eu espero, e sem apodrecer - você tem que valorizar mais a felicidade, a amizade, essas coisas, que no começo da vida são secundárias. Você continua querendo mudar o mundo, mas sabe que as pessoas contam."

E as reflexões são transpostas para a política: "No que vai dar tudo isso? Não sei. Mas não vai ser como no passado. Não vai voltar".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.