André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

'Se procurador respeitasse a lei, Marco Aurélio não teria liberado André do Rap', diz Maia

Presidente da Câmara criticou habeas corpus concedido por ministro do STF a um dos principais líderes do PCC

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de outubro de 2020 | 22h17

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), apontou o Ministério Público como um dos responsáveis pela soltura de André Oliveira Macedo, o André do Rap, na última sexta-feira, 9. A decisão foi dada pelo ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, e derrubada na sequência pelo presidente do STF, Luiz Fux. Macedo, porém, ainda não se entregou à polícia e há relatos de que teria fugido.

Em entrevista à Globonews, na noite deste domingo, 11, Maia foi questionado por um artigo incluído pela Câmara no projeto de lei anticrime, no ano passado, que acabou proporcionando a soltura de André do Rap. O texto inseriu no artigo 316 do Código de Processo Penal a regra limitando a prisão preventiva - aquela dada sem prazo definido - a 90 dias, "podendo ser renovada sob pena de se mostrar ilegal".  

O parlamentar rebateu as críticas de que a responsabilidade é do Congresso. Para ele, o Ministério Público, responsável pela investigação e pelo pedido de prisão preventiva, deveria renovar a solicitação para a Justiça em um prazo de 90 dias se quisesse manter o acusado na prisão. "Se o procurador tivesse no prazo de 90 dias respeitado a lei, certamente o ministro Marco Aurélio não teria liberado o traficante", disse o presidente da Câmara. 

Maia não quis comentar a polêmica envolvendo Marco Aurélio Mello, que decidiu pela soltura, e o presidente do STF, Luiz Fux, que reverteu a decisão do colega. O presidente da Câmara não descartou uma revisão na lei, mas ponderou que não vê a legislação como problema. "Eu acho engraçado, sempre se transfere para a política o desgaste e a polêmica. Por que a gente não cobra do procurador, independente que seja na primeira ou na segunda instância, por que ele não cumpriu o papel dele? Porque ele é pago para isso, ele fez concurso para isso, jurou a Constituição para isso."

Após a decisão de Fux que revogou a liminar concedida por Marco Aurélio, o governador João Doria anunciou a criação de força tarefa da Polícia para tentar recapturar André do Rap. Isso porque, antes da decisão do presidente do STF, o suposto traficante, apontado como homem forte do Primeiro Comando da Capital (PCC) na Baixada Santista e condenado a penas que somam mais 25 anos, deixou a Penitenciária de Presidente Venceslau, no interior paulista, após passar pouco mais de um ano sob custódia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.