Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Secretária de Educação do Rio anuncia medidas de segurança para escolas

Comunicado de novas medidas acontece no primeiro dia de aula no período da manhã da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, onde um atirador matou 12 crianças

Pedro Dantas, O Estado de S. Paulo

19 Abril 2011 | 10h38

RIO - A secretária municipal de Educação do Rio, Cláudia Costin, anunciou nesta terça-feira, 19, pela rede social Twitter, novas medidas de segurança para as escolas da cidade. Segundo ela, serão contratados 1.844 inspetores de alunos, além dos 400 já nomeados em 2010. A previsão é que cada escola tenha um inspetor por andar. As escolas municipais adotarão o uso de crachás para visitantes e serão instaladas câmeras de vigilância em todas as 1.064 escolas da rede que ainda não possuem esse tipo de equipamento.

Veja também:

video Crianças voltam às aulas em Realengo

linkEm SP, MP quer transformar bullying em crime

link'É hora de legitimar a dor e seguir em frente' 

video Assista a todos os vídeos deixados pelo atirador

especialPasso a passo do atirador dentro da escola

A secretária anunciou as medidas no primeiro dia de aula das turmas da manhã na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na zona oeste do Rio, onde um atirador matou 12 crianças no último dia 7. A frequência foi baixa no retorno às aulas dos alunos que presenciaram o massacre há 12 dias.

 

Os estudantes participam, no térreo do prédio da escola, de atividades artísticas monitoradas por psicólogos. Pelo menos dois alunos participaram das atividades ainda com curativos dos ferimentos provocados pelos tiros disparados pelo ex-aluno Wellington Menezes de Oliveira.

 

Carlos Maurício Pinto, de 38 anos, que perdeu o filho Rafael Pereira da Silva, de 14, na chacina, trouxe a filha Ana Beatriz, de 12, para a volta às aulas. "Ela estava assustada no início e resistiu à ideia de voltar ao colégio, mas com o apoio dos psicólogos e das colegas, começou a aceitar", disse o pai.

Mais conteúdo sobre:
realengo escola massacre Rio segurança atirador

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.