Secretaria interdita aterro em Taubaté

Segundo a Cetesb, área funcionava irregularmente há mais de 30 anos

Hélcio Consolino, O Estadao de S.Paulo

20 Agosto 2009 | 00h00

O secretário de Estado do Meio Ambiente, Francisco Graziano Neto, interditou ontem o aterro de Taubaté, a 125 km de São Paulo. Segundo o gerente regional da Cetesb do Vale do Paraíba, Mário Luiz Alves, há mais de 30 anos a área funciona irregularmente e recebe, em média, quase 200 toneladas de lixo doméstico por dia. Por telefone, o prefeito Roberto Peixoto (PMDB) tentou impedir a ação. "Não há mais tolerância, há cinco anos esperamos por um projeto ambiental e nada foi apresentado até o momento", frisou o secretário. O aterro de Taubaté é o 12º a ser fechado neste ano no Estado. Conforme o Inventário Estadual de Resíduos Sólidos Domiciliares da Cetesb, o local recebeu nota 5 no ano passado, quando o mínimo é 6,1 para ser considerado sob controle. No Vale do Paraíba, mais duas cidades estão na mira: Cruzeiro e Aparecida. Segundo Graziano, na próxima semana os locais serão vistoriados e são grandes as possibilidades de interdição. O secretário disse que outros 48 aterros sanitários deverão ser interditados no Estado até o final do ano. Em Taubaté, ele criticou principalmente a falta de contenção do chorume (líquido resultante do processo de apodrecimento de matérias orgânicas) e de estabilidade da mancha de poluição do lençol freático, além de criticar a falta de projeto para um novo aterro. A prefeitura vai transportar o lixo para um aterro sanitário comercial de Tremembé, a 10 km de distância. O município não informou quanto vai desembolsar para essa operação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.