Secretaria já projeta restrição a fretados

Conforme projeto preliminar, bolsões ficariam em estações de metrô e proibição atingiria centro expandido ou a mesma área vetada a caminhões

Felipe Grandin, O Estadao de S.Paulo

20 de junho de 2009 | 00h00

A Secretaria Municipal de Transportes (SMT) quer proibir a circulação de ônibus fretados na região central de São Paulo, a partir de 1º de agosto, segundo representantes do setor. A intenção é vetar a entrada dos veículos na área e criar bolsões de estacionamento em estações de metrô. Para isso, será publicada uma portaria estabelecendo as novas regras.As propostas de restrição foram apresentadas na quinta-feira pelo secretário de Transportes, Alexandre de Moraes, em reunião com representantes das empresas de fretamento. Numa delas, os fretados ficam proibidos de entrar no centro expandido e podem estacionar em cinco paradas fora dessa área. Na outra, os ônibus não podem circular na Zona Máxima de Restrição de Caminhões (ZMRC) e podem parar em oito bolsões (veja ao lado).A secretaria afirma que as medidas estão "em estudo", mas a restrição é exatamente igual à proposta pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM) em um dos artigos da Política de Mudanças Climáticas, aprovada neste mês na Câmara. O texto foi retirado, mas outro item foi incluído para permitir que a secretaria regulamentasse o setor. A restrição deve afetar grande parte das 300 mil pessoas que usam esse tipo de transporte diariamente na capital. Atualmente, 5.674 ônibus fretados estão autorizados a circular na cidade.Para as associações do setor, a restrição vai inviabilizar a atividade no longo prazo, pois a maioria dos ônibus fretados para ou passa pela região central. A medida, segundo eles, vai piorar o trânsito e contribuir para saturar os sistemas de transporte público. Para a SMT, as medidas vão "harmonizar a convivência dos fretados com os ônibus de outros sistemas e os carros".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.