Secretário apresenta plano de segurança para Ilha do Fundão

Assaltos, menores infratores, desova de cadáveres, furtos de veículos, invasões a prédios para roubo de material. Para mudar a rotina de insegurança que domina a Ilha do Fundão, maior câmpus da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em área cercada por favelas, na zona norte, o secretário estadual da Segurança Pública, Roberto Aguiar, anunciou um plano. As primeiras medidas serão adotadas até o dia 10: instalação de dois Polígonos de Segurança e o treinamento de 200 funcionários da instituição, entre agentes de segurança e porteiros, para lidar com situações de risco.Aguiar adiantou que pretende criar também uma Companhia Independente de Polícia Militar, exclusiva para o câmpus, e uma delegacia na Ilha do Fundão. As medidas foram tornadas públicas durante uma reunião entre Aguiar e o novo reitor da UFRJ, Carlos Lessa, na quarta-feira. Na ocasião, Lessa entregou ao secretário um levantamento dos crimes que acontecem na instituição. Um grupo de trabalho com representantes da UFRJ e da secretaria será formado para estudar as propostas e acompanhar os resultados das ações de segurança.Lessa negocia ainda a transferência de um centro de treinamento do Corpo de Bombeiros, localizado em Guadalupe, para o câmpus e, com a Light, a melhoria da iluminação. "Tentaremos transformar a ilha em um paradigma de segurança", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.