Jim Watson/Pool Photo via AP
Jim Watson/Pool Photo via AP

Secretário de Defesa dos EUA elogia postura brasileira frente à crise na Venezuela

Mattis falou a militares no Rio e evocou "valores fundamentais" do continente

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

14 Agosto 2018 | 10h10

RIO - Em discurso a cerca de 200 militares brasileiros na Escola Superior de Guerra, no Rio, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, elogiou na manhã desta terça-feira, 14, a postura do governo brasileiro frente à crise na Venezuela. "Vemos ações desestabilizadoras vindas da Venezuela, com uma resposta adequada do Brasil. Estamos ao lado do povo da Venezuela, que por meio de um regime opressivo forçou tantos refugiados a buscar o Brasil, a Colômbia e outros lugares", afirmou Mattis, depois de elogiar ações militares brasileiras com vistas à paz no Haiti, no Líbano e na África.

"Os EUA têm um pensamento de longo prazo em relação à América do Sul e ao Brasil, reconhecem que as gerações futuras dependem da confiança em nossos parceiros. Queremos ser o parceiro de escolha, principalmente quando surgem problemas, como os relacionados ao fluxo de refugiados", disse o secretário. Mattis lembrou que Brasil e EUA compartilham valores como a defesa dos direitos humanos, da democracia e do estado de direito. 

Mais tarde, ainda no Rio, ele visitará o Monumento aos Mortos na Segunda Guerra Mundial. A cooperação brasileira no combate, alinhada aos EUA, foi lembrada em seu discurso. 

Na segunda-feira, 13, Mattis se reuniu com os ministros da Defesa, Joaquim Silva e Luna, e das Relações Exteriores, Aloysio Nunes. Na pauta, acordos de cooperação bilateral na defesa da América do Sul. As autoridades falaram também da situação na Venezuela e da crise dos refugiados, que se concentram no estado de Roraima.

Mattis ocupa um dos cargos mais importantes do governo Donald Trump. É sua primeira visita à região desde o início da gestão do republicano, em janeiro de 2017. Além do Brasil, a viagem do secretário inclui Chile, Argentina e Colômbia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.