Secretário de Direitos Humanos é contra a pena de morte

O secretário especial dos Direitos Humanos, Nilmário Miranda, disse neste domingo ser contrário à pena de morte, defendida pela primeira vez pelo presidente do rabinato da Congregação Israelita Paulista (CIP), Henry Sobel. "Estou convicto de que a pena de morte não inibe a criminalidade e a violência. Além dos aspectos morais e éticos, a pena de morte é ineficaz no combate ao crime", afirmou. "A experiência de outros países revelam sua ineficácia."A respeito das declarações de Sobel, o ministro preferiu não polemizar, afirmando apenas: respeitar "a trajetória e o posicionamento de Sobel", mas disse não concordar com a posição dele quanto à pena de morte.O ministro destacou a capacidade de a sociedade indignar-se e mobilizar-se diante de crimes violentos e cruéis, mas insistiu que uma solução para a questão da violência no Brasil não passa pela adoção da pena de morte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.