Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Secretário de Segurança confirma ocupação da Rocinha para o domingo

Segundo José Mariano Beltrame, polícia começa a atuar de madrugada nas favelas da zona sul

Alfredo Junqueira, O Estado de S.Paulo

11 Novembro 2011 | 18h00

RIO - O secretário de Estado de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, anunciou no fim da tarde desta sexta-feira, 11, o dia oficial da operação para ocupação das favelas da Rocinha e do Vidigal, as últimas duas comunidades da zona sul do Rio ainda dominadas por traficantes de drogas: será na madrugada de domingo, provavelmente por volta das 5 horas.

Ao saber da prisão de Antônio Bonfim Lopes, o Nem, apontado como chefe do tráfico na Favela da Rocinha, o secretário disse que gostaria de saber como o traficante garantiu o reinado na maior favela da zona sul carioca. "Gostaria muito que o Nem falasse. Ele tem prestação de contas a dar sobre corrupção de agentes públicos. Isso seria um passo importante no combate ao tráfico de drogas. Ele conhece os meandros da corrupção", disse ontem.

O ministro da Justiça confirmou que "todos os recursos necessários" serão disponibilizados ao governo do Rio para a operação e ocupação das favelas no fim de semana. José Eduardo Cardozo também confirmou que os presídios federais deverão receber os bandidos de "alta periculosidade" que o governo do Rio quiser enviar.

"Os presídios federais estão abertos para receber as pessoas que forem de alta periculosidade. Ou seja, nós temos quatro presídios de segurança máxima e temos vagas para receber todos aqueles que de alta periculosidade forem presos nessas operações", disse o ministro.

Policiais. Nesta sexta, mais cedo, o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), cobrou punição a policiais envolvidos com traficantes e apelou para o Poder Judiciário para que esses homens sejam mantidos foram das corporação das quais são expulsos.

As declarações foram dadas após solenidade de assinatura de convênios com Cardozo, que informou que a Polícia Federal também está mobilizada para identificar e deter policiais envolvidos com traficantes e outros desvios de conduta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.