Secretário diz que obras no Aricanduva "passaram no teste"

As obras no Córrego Aricanduva passaram nesta terça-feira pelo seu mais duro teste contra o transbordamento. Os índices pluviométricos medidos nas regiões de Aricanduva, Vila Formosa, Guaianases e Vila Prudente foram os mais altos do ano.Essas áreas da zona leste formam a bacia do córrego, que, ao contrário do que se repetia em anos anteriores, não ultrapassou o nível da rua. No Rio Tietê, que recebe as águas do Aricanduva, também não houve pontos de alagamento.Pela manhã, no entanto, houve o refluxo da água do córrego para os bueiros que deságuam nele. Em conseqüência, alguns pontos nas ruas e nas avenidas próximas ficaram alagados. O secretário municipal de Infra-Estrutura Urbana, Luiz Roberto Bortolotto, disse que as obras de alargamento da calha e a construção de piscinões no Aricanduva passaram no teste."Apesar de a chuva de ontem ter sido bem mais intensa que em fevereiro, hoje não aconteceu nada. Isso porque estamos só com a calha e o Piscinão Aricanduva 3 funcionando." Bortolotto disse ainda que espera entregar os Piscinões Inhaúma, Aricanduva 5 e Rincão até a segunda quinzena deste mês. Já o Aricanduva 2 deve estar concluído até o fim do ano.Ele acredita que os reservatórios possam evitar novas enchentes na região. A Secretaria de Estado de Recursos Hídricos, Saneamento e Obras também trabalha no alargamento da calha do Tietê. A obras estão programadas para terminar em agosto de 2004. "As grandes alterações na vazão do rio serão sentidas nos verões de 2003 e de 2004", disse o secretário, Mauro Arce. "Hoje ainda é cedo para falarmos de mudanças."

Agencia Estado,

12 de novembro de 2002 | 21h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.