Secretário inaugura penitenciárias no Vale do Paraíba

Funcionando há mês e já com 916 presos, as duas penitenciárias da cidade de Potim, no Vale do Paraíba, foram inauguradas hoje na presença do secretário de administração penitenciária de São Paulo, Nagashi Furukawa. Apesar da reprovação dos moradores - a cidade tem apenas 13 mil habitantes e o número de presos significa 10% da população - os presídios foram inaugurados com cerimônia festiva e sem protestos. As obras custaram 16,5 milhões de reais e fazem parte da última etapa do processo de desativação do Carandiru, marcado inicialmente para 31 de março e agora sem prazo definido para ocorrer. Alegando o grande número de pessoas detidas nos últimos três meses, o secretário se defendeu das perguntas sobre o atraso na desativação do Complexo do Carandiru. "Nos últimos três meses foram 3.400 presos, e isso atrasou a desativação do Carandiru". Furukawa confirmou que a desativação do Complexo será mantida pelo governo. "Na próxima semana o governador vai anunciar a nova data". O secretário disse que, nos governos Covas e Alckmin, 37 mil novas vagas foram construídas nos presídios do Estado e que a intenção é chegar a 61 mil. Sobre as denúncias na CPI do Sistema Carcerário, Furukawa afirmou que não fará nenhuma mudança na direção dos presídios nem na coordenação dos mesmos, até a comprovação dos fatos. "Por enquanto, vou seguir o que diz a Constituição, onde se presume inocente a pessoa que está sendo investigada". O coordenador dos presídios da região, Carlos Alberto Corade, também compareceu à inauguração e negou as denúncias de desvio de dinheiro, apontadas na CPI na semana passada em Taubaté. "95% das denúncias já foram arquivadas pelo Ministério Público e a Secretaria da Fazenda concluiu que não houve desvio de dinheiro".Entre outras denúncias, Corade está sendo acusado por agentes penitenciários de desviar dinheiro do Presídio Edgar Magalhães Noronha, em agosto de 1999. CDPEm três meses de funcionamento, o Centro de Detenção Provisória de Taubaté, com capacidade para 768 homens, está com 664 detentos, sendo 110 setenciados e que não deveriam estar num centro provisório. O secretário foi questionado sobre este assunto e respondeu apenas que é uma situação transitória, apenas para acomodar detentos de Guarulhos.BloqueadoresQuestionado sobre a entrada de telefones celulares nos presídios, o secretário informou que ainda neste mês será implantado o bloqueador de ligações na penitanciária de Presidente Bernardes e que em 120 dias os outros presídios também vão receber o sistema. "Só estamos aguardando o desenrolar das licitações".

Agencia Estado,

18 de março de 2002 | 18h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.