Secretário nega rebelião em Campos

O secretário da Segurança Pública do Estado, coronel Josias Quintal, negou que tenha havido uma rebelião no presídio Carlos Tinoco, em Campos, no Norte Fluminense, mas confirmou as mortes de dois presos até o momento. "Não tem rebelião nenhuma. Foi apenas um preso que ateou fogo em colchões dentro de uma cela, matou dois e feriu seis", disse Quintal.O causador do tumulto seria o presidiário Francisco dos Santos Martins, condenado por homicídio - ele confessou ter matado um colunista social de Campos. Martins seria removido para o presídio de Água Santa, no Rio, o que teria causado a sua revolta. Os presos Carlos Fernandes Gonçalves e Carlos Nicreciano Filho morreram queimados. "Não tem nenhum movimento organizado como o de São Paulo, aqui as conversas são outras", disse Quintal, referindo-se ao grupo criminoso paulista Primeiro Comando da Capital (PCC).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.