Secretário petista diz que aplicação de 30% do orçamento no ensino é "discurso ultrapassado"

O secretário municipal da educação, Fernando José de Almeida, classificou como "passado" o conceito de que a Prefeitura deve investir 30% do orçamento apenas na manutenção e desenvolvimento do ensino. O vereador Carlos Giannazi (PT) afirma que, ao defender sua posição, segue a trajetória histórica do PT, que sempre defendeu os 30% na manutenção e desenvolvimento."Aquele discurso é ultrapassado com relação à cidade de São Paulo", disse Almeida, durante reunião na Câmara Municipal. "Estamos fazendo uma proposta mais avançada e mais criativa no momento político em que vivemos", completou. Na semana passada, o secretário já tinha afirmado que a posição defendida por Giannazi "era de uma pobreza franciscana".O secretário também afirmou que, para atingir os 30% exigidos na Lei Orgânica do Município (LOMP), a Prefeitura terá de incluir os gastos com servidores inativos, outra medida que sempre foi combatida pelo PT em governos anteriores. "Simplesmente retirar os inativos é uma medida irresponsável", afirmou. "O que podemos fazer é retirar os inativos a longo prazo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.