Secretário promete investigação sobre Febem

O secretário estadual da Educação, Gabriel Chalita, disse, hoje, que vai investigar tudo o que ocorreu neste fim de semana em unidades da Febem. A polícia também está investigando os fatos e ainda hoje funcionários e internos da Febem devem prestar esclarecimentos. Em Ribeirão Preto, no interior do Estado, onde aconteceu fuga na última sexta-feira, os adolescentes denunciaram que vêm sendo alvo de torturas promovidas pelos empregados. Chalita manifestou ´estranheza´ em relação aos problemas justamente quando os funcionários retornaram ao trabalho.Em entrevista ao programa Bom Dia São Paulo, da TV Globo, ele garantiu que tudo tem de ser investigado e que a Febem não compactuará com nenhum tipo de agressão ou tortura praticada pelos empregados. "Realmente, é tudo muito estranho. As unidades vinham com uma certa tranquilidade. A Febem é muito complexa, tem adolescentes de vários perfis, mas isso não significa que deva ocorrer certos problemas", falou. "A gente lamenta o que aconteceu em Franco da Rocha, não se pode misturar os internos, o tempo todo existe o rigor de separar grupos diferentes e tudo isso tem de ser investigado?, afirmou.Chalita assegurou que, apesar dos problemas verificados neste fim de semana na Febem, não voltará atrás nas medidas que ofereceram propostas educativas e de mercado de trabalho para os adolescentes. Segundo ele, a Unidade Raposo Tavares é uma das que está oferecendo diversos cursos profissionalizantes e, em consequência, os internos de lá encontram-se num bom processo de recuperação. "A grande parte dos menores que estão nas 69 unidades da Febem em todo o Estado de São Paulo está trabalhando e desenvolvendo atividades lúdicas, recreativas e recebendo a visita dos pais", explicou o secretário. "Essas coisas que aconteceram nos preocupam, mas nos levarão também a agir com maior intensidade ainda em relação à adoção de medidas educativas".ConcursoGabriel Chalita aproveitou a oportunidade e anunciou a abertura das inscrições para o concurso que oferecerá cerca de 50 mil vagas para professor na rede estadual de ensino. Ele disse que será o maior concurso da história da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo. "Hoje, a partir das 15 horas, o governador Geraldo Alckmin vai anunciar todo o cronograma do concurso e os interessados poderão acessar o site da secretaria para obter mais detalhes". Os salários vão variar de R$ 700 a R$ 1,3 mil. O secretário acredita que aprovados já deverão estar trabalhando no início do ano que vem.DeficientesOs deficientes físicos também poderão participar do concurso para professor, mas terão de atender a algumas exigências. Pelo menos 2,5 mil das 50 mil vagas serão destinadas aos portadores de deficiência. No ato da inscrição, os deficientes deverão deixar registrada a sua situação. Além da documentação normal, eles terão de anexar um laudo médico atestando com detalhes o tipo de deficiência que possuem. Com isso, a organização do concurso indicará o local mais adequado para que essas pessoas façam as provas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.