Secretário quer tirar muro da raia da USP

Andrea Matarazzo pretende substituir o paredão que fica na Marginal do Pinheiros por grades ou paredes de vidro para suavizar paisagem ?árida?

Daniel Gonzales, O Estadao de S.Paulo

08 Agosto 2009 | 00h00

O secretário municipal de Coordenação das Subprefeituras, Andrea Matarazzo, vai apresentar nos próximos dias ao governador José Serra e à reitora da Universidade de São Paulo (USP), Suely Vilela, proposta para que seja retirado o muro que separa a pista sentido sul da Marginal do Pinheiros da raia olímpica da universidade. A ideia é substituir o paredão por grades com plantas e "amenizar" a paisagem "árida" da Marginal, abrindo a visão dos motoristas para o verde da Cidade Universitária, do outro lado da raia. A ideia de dar "cara nova" à via, por onde passam 450 mil veículos por dia, foi divulgada há alguns dias pelo secretário municipal de Coordenação de Subprefeituras, Andrea Matarazzo, na internet, e conquistou a simpatia de paulistanos na rede. O tema foi lançado no ano passado pelo arquiteto Jorge Ricca Júnior, mestrando da própria USP, que publicou artigo defendendo a derrubada do muro, reproduzido em várias páginas na internet. Segundo Matarazzo, não é possível que a Marginal fique apenas sem o muro, o que poderia causar riscos para os motoristas. "Podemos pensar em grades ou em paredes de vidro ali, no lugar do muro, embora essas possam ser mais caras", adiantou. Não existe ainda projeto oficial para a derrubada do paredão nem estimativa de quanto isso custaria. Segundo o secretário, depende da prefeitura da Cidade Universitária autorizar a retirada do muro. Procurada, a USP informou ontem, porém, que o muro, de 2,3 quilômetros de comprimento e 3 metros de altura, é de responsabilidade da administração municipal. Portanto, segundo a Assessoria de Imprensa da universidade, o governo municipal poderia fazer o que quiser ali, até mesmo colocá-lo abaixo, desde que apresente um projeto para a Universidade de São Paulo. JOCKEY A Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras produziu uma montagem fotográfica, que Matarazzo divulgou a seguidores na rede social Twitter (com mais de 4 mil internautas) no fim de julho. Existem imagens para comparação disponíveis no endereço http://bit.ly/4mNYJn. Matarazzo revelou que já recebeu pedidos para que o Jockey Club, também na Marginal do Pinheiros, substituísse o muro fronteiriço à via por grades. "Mas isso assustaria os cavalos", observou. Segundo o secretário, no entanto, o Jockey poderia ser integrado ao espaço público com a troca de muros por grades do outro lado, na Avenida Lineu de Paula Machado. A origem do muro da Universidade de São Paulo remonta à década de 1960, quando o Rio Pinheiros foi retificado e as pistas da Marginal, alargadas. Por conta da largura necessária para a abertura de seis faixas lado a lado, não sobrou espaço para a calçada do lado direito e se decidiu pela colocação do muro para evitar invasões, tráfego a pé e riscos para os praticantes do remo que utilizam a raia olímpica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.