Secretário reage à declaração sobre violência no Rio

O secretário de Estado Segurança Pública, Roberto Aguiar, classificou de levianas e xenófobas as declarações da equipe de segurança do presidente francês Jacques Chirac, segundo as quais "a França não vai virar o Rio", cidade que eles consideram "referência insuportável" em relação aos índices de violência."Se não tem Le Pen, tem um sub Le Pen", reagiu Aguiar, comparando os assessores de Chirac ao candidato de ultradireita Jean Marie Le Pen, derrotado nas últimas eleições presidenciais."Não nego a violência no Rio, mas eles estão distantes e não têm a menor informação sobre os novos paradigmas do Estado em relação à segurança pública, nem à mudança da polícia, que está prendendo os cabeças do tráfico e desarticulando quadrilhas", afirmou, referindo-se à prisão do traficante Celso Luís Rodrigues, o Celsinho da Vila Vintém, criminoso mais procurado do Estado, detido na terça-feira.Para Aguiar, os franceses usaram o Rio como referência aleatória. "Eles poderiam se referir à violência de outras grandes capitais, mas escolheram o Rio por ser mais bonita, mais conhecida. Eles fizeram isso porque o turismo na França está corroído, justamente por causa da presença de turistas no Rio", afirmou. Aguiar lembrou também que a França enfrenta "grandes problemas de ordem doméstica", como o crime organizado de Marselha.O secretário municipal de Turismo e presidente da Riotur, José Eduardo Guinle, que declarou guerra aos produtores do desenho animado Os Simpsons, que satirizaram, entre outras coisas, a violência na cidade, não quis fazer comentários sobre o que disseram os conselheiros de Chirac à imprensa francesa.Guinle preferiu que o prefeito Cesar Maia se pronunciasse a respeito, mas este minimizou o episódio. "Se fosse uma declaração de alguma autoridade, certamente preocuparia. Mas a categoria ´assessores´ é muito ampla. Pode ser até uma conversa regada a bom vinho", respondeu, em e-mail ao Estado. A governadora Benedita da Silva não havia comentado as declarações até o fim da tarde de hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.