Segunda-feira de atrasos nos aeroportos do País

Após um domingo com metade dos vôos atrasados nos aeroportos do País, a situação voltou a se complicar na manhã desta segunda-feira. Os passageiros embarcaram com um atraso de até quatro horas em alguns aeroportos. No Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, a espera era superior a três horas.Embora os transtornos não sejam iguais aos enfrentados no início da crise do tráfego aéreo, entre 27 de outubro e 2 de novembro, o clima era de desconforto e preocupação em Guarulhos. Às 8 horas, havia oito vôos atrasados. Entre os vôos atrasados estava um da TAM vindo de Recife que deveria ter chegado a São Paulo às 3h30, mas só pousou às 7h20. Um outro vôo da TAM para Porto Alegre, previsto para as 4h30, só decolou por volta das 8 horas. No Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, de acordo com a Infraero, havia dez pousos atrasados. Em Brasília, no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, havia seis vôos atrasados. A espera estava entre de 20 e 40 minutos. Já no Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, quatro vôos estavam atrasados e a espera era de cerca de duas horas. No Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Belo Horizonte, um vôo vindo Porto Seguro, na Bahia, pousou por volta das 7h50, com três horas de atraso. No Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio, um vôo da TAM vindo de Maceió, Alagoas, deveria ter chegado às 5 horas, mas não havia chegado até às 8 horas.Falta de Operadores Os atrasos voltaram a ocorrer neste fim de semana depois da falta de dois operadores de vôo em Brasília, que se ausentaram do serviço por motivos de acidente pessoal e doença na família, de acordo com a Infraero.No domingo, o presidente da Infraero, o brigadeiro José Carlos Pereira, declarou que os atrasos são causados por "problemas de recursos humanos". "Falta gente, mesmo. Ninguém fala que falta radar, ou antena. O que falta é gente", disse Pereira. A falta de pessoal faz com que outro operados tenha de assumir o controle, acumulando mais vôos para controlar, além dos 14 que cada um pode administrar por vez.RemanejamentoO problema da falta de pessoal no setor de controle de tráfego aéreo foi agravado após o acidente com o avião do Gol em 29 de setembro. Por conta da tragédia, foram afastados temporariamente 10 controladores de vôo de Brasília.Para tentar resolver a situação, o governo anunciou que remanejará para Brasília 15 controladores que atuam em outras cidades. Antes de assumir as novas posições, porém, eles precisam passar por um treinamento. Na sexta-feira passada, o governo também autorizou a recontratação de 60 controladores que foram recentemente para a reserva. Mas, para assumir o cargo, esses operadores também precisarão passar por um período de treinamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.