Segundo Kassab, tarifa de ônibus não vai aumentar

A Prefeitura de São Paulo encontrou um argumento que considera o mais eficaz para convencer as empresas de ônibus a trocarem veículos antigos por mais novos. Sete dos oito consórcios que operam na cidade vão receber um adicional à remuneração básica por passageiro transportado proporcional à renovação da frota.Essa regra deve valer até 2008 e, a partir de 2009, as viações não poderão colocar nas ruas carros com mais de dez anos de fabricação. Mesmo com esses gastos, tanto o secretário de Transportes, Frederico Bussinger, quanto o prefeito Gilberto Kassab (PFL), em entrevista à Rede Globo, garantem que não haverá aumento de tarifa.Em acordo assinado na sexta-feira, os consórcios aceitaram substituir entre 600 e 700 carros até o fim do ano. Estão nesse universo todos os veículos fabricados entre 1991 e 1994 e um terço da frota de 1995. A Secretaria Municipal de Transportes criou uma fórmula para aumentar o valor pago por passageiro que leva em conta a idade dos ônibus usados pelas empresas."É um estímulo financeiro para renovação da frota", disse Bussinger. "Mas, a partir de 1º de agosto, todas têm de oferecer um ônibus adaptado para deficientes por linha. Aquelas que não cumprirem essa cláusula vão sofrer desconto na remuneração."O total pago às concessionárias vai aumentar em cerca de 9,5%: subirá de R$ 158 milhões para R$ 173 milhões mensais, em valores aproximados e considerando meses típicos (de volume de passageiros considerado padrão, sem efeitos sazonais como férias).O acordo, contou Bussinger, levou quatro meses para ser fechado. "Assinamos a 19ª versão do texto", revelou. Para o secretário, o termo é a garantia de que o sistema de transporte coletivo pode chegar a um equilíbrio, não só financeiro, como operacional e jurídico. "São as diretrizes para atingirmos esse equilíbrio."Até o fim da semana, a secretaria quer formar uma comissão, com representantes do setor público e do privado, para discutirem pendências, como o cronograma de renovação da frota até 2008. É o grupo com maior volume de carros: só do ano de 1996 há 1.100 veículos circulando na Cidade.Esse grupo terá 30 dias para analisar também o plano de reorganização das linhas do sistema, que a Prefeitura apresentará em definitivo até sexta-feira. De acordo com esboço divulgado por Bussinger, os 1.305 itinerários hoje existentes serão reduzidos em quase 38%, caindo para 813 linhas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.