Segundo Tempo será investigado pelo TCU

O Tribunal de Contas da União (TCU) vai investigar os convênios celebrados entre o Ministério dos Esportes e a ONG Bola Pra Frente no âmbito do programa Segundo Tempo. Reportagem do Estado mostrou que a entidade cobra de prefeituras para implementar o programa nas cidades mesmo já sendo beneficiada com repasses de recursos do governo federal.

Eduardo Bresciani, O Estado de S.Paulo

15 Abril 2011 | 00h00

A ONG é dirigida pela ex-jogadora de basquete e vereadora de Jaguariúna (SP), Karina Rodrigues (PC do B), correligionária do ministro Orlando Silva. Quando o caso foi revelado, em fevereiro, a vereadora afirmou que cobrava das prefeituras para pagar uma contrapartida ao Ministério dos Esportes.

A determinação de que os convênios da entidade sejam fiscalizados foi definida em reunião do plenário do tribunal no dia 6 de abril. A investigação acontece após uma representação apresentada pelo líder do DEM na Câmara, ACM Neto (BA), com base em reportagens feitas pelo Estado.

Denúncia. Relator da representação, o ministro Marcos Bemquerer Costa foi favorável a uma investigação devido à importância do programa e a gravidade da denúncia apresentada. "Em face da relevância e da materialidade do programa em foco, bem como das constantes denúncias a ele relacionadas, reputo pertinente uma investigação mais profunda da questão por este tribunal".

Em seu relatório, Bemquerer destaca que o programa já passou por investigações anteriores no Tribunal e que as denúncias de irregularidades no programa são "reiteradas" e "constantes". Ele ressalta que em acórdãos anteriores o TCU já tinha verificado que "os problemas identificados no Programa Segundo Tempo persistiam".

O ministro do TCU observou ainda que já estava prevista uma fiscalização de contratos no âmbito do programa no segundo quadrimestre deste ano. Diante disto, ele determinou que este trabalho apure também os convênios com a ONG Bola Pra Frente, o que foi referendado pelo plenário.

O Ministério do Esporte disse ontem que não iria comentar o assunto porque não foi notificado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.