Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Segurança mobiliza 2 mil homens em operação na zona sul do Rio 

Operação inclui revista de pessoas e veículos e checagem de antecedentes criminais

Renata Batista , O Estado de S.Paulo

21 Junho 2018 | 10h45

RIO - O comando conjunto da intervenção federal no Rio de Janeiro realiza, desde o início dessa manhã, ações de cerco, estabilização e remoção de barricadas nas comunidades da Babilônia e Chapéu Mangueira, no Leme, zona sul do Rio. A operação envolve cerca de 2 mil homens do Exército, da Polícia Militar, Marinha, Aeronáutica e Corpo de Bombeiro e inclui revista de pessoas e veículos e checagem de antecedentes criminais. 

De acordo com o Comando da intervenção, a Marinha foi envolvida para fazer bloqueios e patrulhas nas áreas marítimas próximas. Já a Aeronáutica intensificou a segurança dos voos que saem do Aeroporto Santos Dumont. A região é rota da maioria das aeronaves que pousam e decolam no aeroporto. 

A maior parte do efetivo - cerca de 1.800 - é das Forças Armadas. A PM participa com 50 homens, verifica denúncias de ostensividade criminosa e de outras condutas ilícitas, realiza vasculhamentos e bloqueia vias de acesso na região.  Há ainda duas equipes do Corpo de Bombeiros com cães farejadores. 

+++ Morre adolescente baleado na Maré durante operação policial

O comando da operação informa que algumas ruas e acessos na região poderão ser interditados e setores do espaço aéreo poderão ser controlados, oportunamente, com restrições dinâmicas para aeronaves civis.

+++ Operações deixam 6 mortos e levam pânico a moradores de favelas do Rio

A região é a mesma de onde, no início do mês, bandidos fugiram, descendo pela Urca e interrompendo a operação do Bonde do Pão de Açúcar, e embarcações foram flagradas na Baía de Guanabara com armamento pesado. O entorno da Urca e do Leme concentra diversos equipamentos militares, entre os quais o Forte Duque de Caxias, no Leme, e o Instituto Militar de Engenharia (IME) e o Círculo Militar da Praia Vermelha. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.