Seguro garante pagamento às vítimas, informa consórcio

O Consórcio Via Amarela - integrado pela empresas Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez - enviou comunicado oficial na noite desta terça-feira, 16, dando explicações com relação ao seguro da obra da linha 4 do Metrô, que é de responsabilidade da Unibanco-AIG. De acordo com o comunicado, o seguro garante o pagamento às vítimas de acidentes ocorridos durante a execução da obra e ainda aos moradores e comerciantes prejudicados pelo desmoronamento da obra, que abriu uma cratera de 80 metros de diâmetro."Entre outros interesses e prejuízos, estão garantidos: atendimento médico-hospitalar, lesões corporais e morte; reconstrução ou reparação dos imóveis danificados ou destruídos; reparo ou reposição de bens móveis como veículos, mobiliários e utensílios danificados ou destruídos; hospedagens e aluguéis temporários em virtude da impossibilidade de acesso aos imóveis; e despesas extraordinárias de transportes decorrentes dos itens acima", informou o Consórcio Via Amarela. Segundo a nota, esses seguros são efetuados para a proteção dos interesses dos terceiros prejudicados, da contratante da obra (Metrô), dos contratados (Consórcio) e subcontratados, entre outros.Ainda de acordo com o comunicado enviado pelo Consórcio das obras, as vítimas e os prejudicados devem enviar sua reclamação à seguradora, por meio do próprio Consórcio Via Amarela. "O Consórcio Via Amarela registrará, encaminhará à seguradora e acompanhará cada um dos processos", garantiu. E acrescentou: "Este seguro é do tipo ´all risks´, ou seja, garante todos os riscos de engenharia, inclusive riscos naturais, falhas de execução, erros de projeto etc., exceto aqueles expressamente excluídos, como os atos de guerra, terrorismo e radiação nuclear".O Consórcio informou ainda que entre os interesses segurados, estão garantidos os relativos à recuperação da obra de engenharia, recomposição de solo e remoção de escombros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.