Seis clãs disputam principais cargos no RN

Cada família tem pelo menos dois de seus integrantes concorrendo nas eleições para deputados estadual e federal, senador e governador

Anna Ruth Dantas ESPECIAL PARA O ESTADO / NATAL Eugênia Lopes / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2010 | 00h00

No Rio Grande do Norte, carreira política é passada de pai para filho e também entre mães, irmãos, sobrinhos e outras ligações familiares. Seis famílias contam com pelo menos dois de seus integrantes disputando os cargos de deputados estadual e federal, senador e governador em disputa neste ano.

Um dos clãs mais tradicionais da política potiguar, os Alves dividem-se em três candidaturas ao governo local. Entre os parentes e herdeiros do ex-governador e ex-ministro Aluízio Alves, morto em 2006, há seis candidatos a algum cargo político.

Acostumados a dividir o palanque há 40 anos, os primos Garibaldi Alves, senador pelo PMDB, e Henrique Eduardo Alves, líder da legenda na Câmara dos Deputados, tomaram rumos opostos na eleição ao governo potiguar. Garibaldi está apoiando a colega de Congresso, senadora Rosalba Ciarlini (DEM). Líder do PMDB na Câmara, o deputado Henrique Alves fará campanha para Iberê Ferreira (PSB), atual vice-governador.

"Essa é a primeira vez que não vamos fazer campanha juntos. Não sei como fazer campanha sem ele (Garibaldi)", lamenta Henrique Alves, que pretende renovar seu mandato nas eleições de outubro. Detalhe: nem Garibaldi nem Henrique cogitam votar no primo, o ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves, candidato do PDT ao governo potiguar. O clã iniciado por Aluízio Alves também terá três candidatos a deputado estadual: Agnelo Alves (PDT), irmão de Aluízio e apoiador da candidatura de seu pai, Carlos Eduardo; Walter Alves e José Dias, respectivamente sobrinho e cunhado do patriarca, ambos filiados ao PMDB e engajados na eleição de Rosalba.

Os Maias. Pouco diferente dos Alves é a família Maia, que tem como o principal representante o ex-governador Tarcísio Maia. Hoje, o clã está na disputa com quatro representantes. O senador José Agripino Maia (DEM), filho de Tarcísio, e o deputado federal Felipe Maia (DEM), neto do patriarca, tentam a reeleição.

Já a deputada estadual Márcia Maia (PSB) e o advogado Lauro Maia (PSB), filhos do deputado estadual Lavoisier Maia e primos de Tarcísio, disputam vagas na Assembleia Legislativa.

A família Rosado, originária do ex-governador Dix-Sept Rosado, que morreu em 1951 num acidente de avião, disputa as eleições com quatro representantes. A senadora Rosalba Ciarlini (DEM), nora de Dix-Sept, é candidata ao governo. O deputado federal Betinho Rosado (DEM), filho do ex-governador, e a deputada federal Sandra Rosado (PSB), sobrinha de Dix-Sept, buscam a reeleição. A deputada estadual Larissa Rosado (PSB), filha de Sandra, também tenta novo mandato.

Na lista das oligarquias potiguares há também a do ex-senador Carlos Alberto de Sousa, morto em 1998, pai da prefeita de Natal, Micarla de Sousa (PV). O marido dela, Miguel Weber (PV), disputa uma vaga para Assembleia Legislativa e a irmã, Rosy de Sousa (PV), tenta uma vaga na Câmara dos Deputados.

Completam a lista de clãs duas famílias - os Faria e os Mesquita de Faria. A primeira tem como expoente a ex-governadora e candidata ao Senado pelo PSB Wilma de Faria (que foi casada com Lavoiser Maia, de outro clã). Os Mesquita de Faria têm como liderança o deputado estadual Robinson Mesquita de Faria (PMN), candidato a vice-governador na chapa de Rosalba Ciarlini. Seu filho, o deputado federal Fábio Faria (PMN), tenta a reeleição.

Das seis oligarquias potiguares, as três que mantêm a mesma aliança política são os Sousa, os Faria e os Mesquita de Faria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.