Seis crianças da mesma família morrem em naufrágio no Maranhão

Canoa levava também quatro adultos a bordo; hélice do motor quebrou e deixou embarcação à deriva

Ernesto Batista - O Estado de S. Paulo,

22 Abril 2011 | 19h32

SÃO LUÍS - O naufrágio de uma canoa no município de Lago Verde, distante 310 km de São Luís, provocou uma tragédia. Seis crianças, com idades entre 7 meses e 12 anos, morreram no acidente. Todas eram da mesma família, que se deslocava por um lago do povoado Piquizeiro, a 28 km da sede do município.

 

Segundo informações divulgadas a pouco pela rádio Mirante AM, as vítimas viajavam para Vila São Francisco, no município de Bacabal, em uma canoa construída para transportar três pessoas, mas haviam quatro adultos e nove crianças a bordo. A embarcação estava navegando ao largo do povoado de Piquizeiro, quando a hélice do motor da canoa quebrou e o barco girou no meio do lago, e ficou à deriva na correnteza até virar. Entre todas as pessoas à bordo, apenas um dos adultos sabia nadar.

 

O resgate das vítimas e dos corpos das seis crianças mortas foi feita por populares, porque as equipes de resgate só chegaram ao local cerca de 1 hora após a canoa virar, por causa da dificuldade de acesso ao local. A PM e o Corpo de Bombeiros finalizaram as operações de busca. "Muitos pegaram suas canoas para ajudar a família que sofreu o acidente", disse o soldado PM Antônio Silva Cajado.

 

No naufrágio da canoa, morreram os irmãos Elaine Martins Ribeiro, 7 meses; Wesley Henrique Martins Ribeiro, de 2 anos, e Erisvan Martins Ribeiro, de 4,  e mais três de seus primos: Franciel Martins Lima, 8 anos; Andressa Gomes Costa, que no domingo faria 11 anos, e Ronilson Silva dos Santos, 12 anos. A mãe das três crianças menores, Deusilene Martins da Silva, 24 anos, também estava a bordo e sobreviveu ao acidente. Outra vítima, Ronilson, era filho de Josimar Martins Silva, 36 anos, que conduzia a canoa. As seis crianças estão sendo veladas na Unidade Escolar São José, no povoado Piquizeiro.

 

Mais conteúdo sobre:
Maranhão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.