Seis mortos no domingo de carnaval do Rio

A Operação Guanabara, que mobiliza cerca de 3 mil homens das Forças Armadas em ruas e túneis da região metropolitana do Rio, e o forte esquema montado pela Secretaria de Segurança Pública, com mais de 20 mil policiais, não foram suficientes para impedir um domingo de carnaval violento. Seis pessoas morreram em incidentes ocorridos em diferentes pontos entre o fim da noite de domingo e manhã de segunda-feira. Houve tiros e arrastões nas proximidades do Sambódromo, no Centro, uma chacina em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, e um tiroteio entre mascarados em Marechal Hermes, na zona norte da capital.Apesar da violência, o Centro de Operações de Segurança Integrada (Cosi) do Comando Militar do Leste divulgou nota na manhã de hoje com um balanço de 24 horas da Operação Guanabara, dizendo que ela transcorria "sem nenhum incidente de vulto". Segundo a Polícia Civil, traficantes ameaçaram provocar um blecaute no Sambódromo. Com a ajuda de 29 câmaras no local e agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) e de outras unidades, que fizeram uma varredura anti-bombas, pelo menos a primeira noite ocorreu toda sem problemas importantes dentro da Passarela do Samba.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.